Sindicatos decidem adesão à greve na 6ª; em SP, metrô vai parar

Categorias realizam assembleia para decidir se vão aderir à greve geral de sexta-feira contra a reforma trabalhista

São Paulo – As maiores centrais sindicais do país estão preparando um dia de paralisações e mobilizações nacionais nesta sexta-feira (30).

O sindicato dos metroviários de São Paulo informou a EXAME.com que vai aderir à paralisação durante todo o expediente, das 4h40 de sexta à 0h de sábado. Os ferroviários, da CPTM, terão uma assembleia no dia 29, véspera da paralisação, para definir a questão. Os motoristas de ônibus ainda não têm um posicionamento.

A principal pauta da paralisação é protestar contra a reforma trabalhista, que pode acabar com a obrigatoriedade da contribuição sindical, além de flexibilizar as regras de emprego.

Na última sexta, nove centrais assinaram um manifesto de apoio à paralisação. Cada categoria, no entanto, fica livre para apoiar como pode, com greve ou apenas participando das manifestações.

Amanhã, os presidentes das centrais sindicais têm uma audiência no Senado, para negociar com os políticos. De terça a quinta-feira, haverá atividades em aeroportos, nas bases dos senadores e no próprio Senado.

A CUT informou que ainda está fazendo um levantamento das categorias que devem participar da greve geral. Ao longo da semana, conforme as assembleias sejam realizadas em todo o país, será possível mapear quais serviços vão parar.

Assinam a nota a CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil); a CSB – (Central dos Sindicatos Brasileiros); CSP Conlutas (Central Sindical e Popular); CTB (Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil); CUT (Central Única dos Trabalhares); Força Sindical; Intersindical (Central da Classe Trabalhadora); NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores); e UGT (União Geral dos Trabalhadores).

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. SIndicatos??? Parasitas, sanguessugas desse país!

  2. O grande foco aí é a derrubada do pagamento do imposto sindical. Eu estou de pleno acordo que isto aconteça. Por que eu sou obrigado a colaborar financeiramente com um valor correspondente a um dia do meu trabalho para doar a sindicatos cuja maioria é formada de profissionais do sindicalismo, que vivem nababescamente e não soltam os ovos da galinha de ouro por nada? Deve ser intere$$ante, nao? Olha, esse dinheiro que me levam daria uma boa compra no supermercado para atender as necessidades dos meus filhos. Pois, sim! Querem sócios em sindicatos, façam por merecer. Efetivem lutas reais pela classe, obtenham o respeito dos trabalhadores em vez de fazerem politicagem.

  3. Ricardo Marques

    Quantas siglas concorrentes de PCC e do CV, vivem como parasitas do povo trabalhador

  4. Roberto Negromonte Santos Negromonte

    Vamos acabar com esses sindicatos! GREVE é uma atitude individual do trabalhador!tirar transportes e outros meios de locomoção, é PARALISAÇÃO! e não GREVE! demissão para esses vagabundos!.

  5. Eles estão enriquecendo as custas de vcs .e tem gente que tá cega !!!

  6. João C. Moura

    Seria ótimo se essa contribuição sindical fosse revogada.