Sigilo impediu Graça de revelar corrupção da SBM

Deputado Onyx Lorenzoni disse que a presidente da estatal teria mentido ao Congresso sobre irregularidades

Rio – A Petrobras divulgou nota nesta noite de quarta-feira, 26, contrariando as acusações feitas hoje pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) de que a presidente da empresa, Graça Foster, teria mentido ao Congresso sobre irregularidades no contrato firmado com a holandesa SBM para o afretamento de sondas e plataformas.

Segundo o deputado, Graça teria afirmado não ter conhecimento das irregularidades, mas, neste mês, admitiu ter sido informada pela própria SBM que a empresa teria pago propina para ser beneficiada em contrato com a estatal.

Mas a estatal argumenta que Graça não informou anteriormente ter conhecimento do caso por questão de sigilo.

A Petrobras informou que Graça teve conhecimento de desvio de recursos pela primeira vez por meio da imprensa, em fevereiro, quando determinou a abertura de uma auditoria interna, que, por fim, não encontrou nenhuma irregularidade nos contratos com a SBM.

Em 23 de maio teria recebido telefonema do presidente da SBM, que admitiu o pagamento de propina, e, quatro dias depois, a confirmação chegou em carta enviada pela empresa holandesa.

“Neste momento em que a empresa SBM fechou acordo com o Ministério Público da Holanda e este, em 12/11/2014, deu publicidade às informações referentes a existência de pagamentos indevidos no Brasil, entendeu-se que a menção ao recebimento dessas comunicações não estaria mais sob sigilo. Até hoje a Petrobras não conhece oficialmente quem poderia ter recebido o suposto suborno e o respectivo valor”, afirma a Petrobras, em nota.