Servidores do Incra tentam negociar aumento maior que 15,8%

Terminou ontem (29) o prazo para a formalização das assinaturas dos acordos entre governo e entidades sindicais, o que garante o reajuste salarial para as categorias

Brasília – Os servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que paralisaram suas atividades há mais de 70 dias, ainda tentam negociar até o fim do dia com o governo federal um aumento superior ao reajuste proposto de 15,8%, dividido em três anos. Terminou ontem (29) o prazo para a formalização das assinaturas dos acordos entre governo e entidades sindicais, o que garante o reajuste salarial para as categorias. A expectativa do governo é encaminhar ainda hoje (30) o projeto de Lei Orçamentária Anual ao Congresso Nacional, com a previsão de gastos com a folha de pagamento em 2013. A data limite para o envio é amanhã (31).

De acordo com o diretor da Confederação Nacional das Associações dos Servidores do Incra (Cnasi), Reginaldo Aguiar, a proposta do governo resultaria em aumentos poucos significativos.

“A proposta não atende minimamente às nossas reivindicações. Com esse percentual e o escalonamento, muitos funcionários teriam um aumento de apenas R$ 200 a cada parcela”, afirmou, acrescentando que 70% do órgão aderiu à mobilização, que conta com 30 superintendências pelo país. Ao todo, o Incra tem 5.500 servidores.

Outra categoria que rejeitou a proposta do governo, os agentes da Polícia Federal, fazem assembleia hoje, em Brasília, para decidir se mantêm a greve. Já os servidores das agências reguladoras, que também não aceitaram o reajuste oferecido pelo governo, decidem à noite se suspendem a paralisação. De acordo com o Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências), a assembleia da categoria está marcada para as 18h de hoje.

O Ministério do Planejamento informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que trabalha para fechar o projeto de Lei Orçamentária Anual e que deve divulgar o balanço com o total de categorias que assinaram o acordo com o governo nesta tarde. Ainda de acordo com o Ministério, as negociações realizadas depois da última terça-feira (28) só poderão resultar em eventual acordo para ser incluído no Orçamento de 2014.