Senadores querem ouvir ministro e Opas sobre médicos cubanos

Além de detalhes sobre a contratação, os senadores querem saber informações sobre as condições de trabalho que serão oferecidas aos médicos estrangeiros

Brasília – O Senado deve ouvir nos próximos dias o ministro da saúde, Alexandre Padilha, e o presidente da Organização Pan-Americana de Saúde no Brasil (Opas), Joaquim Molina, sobre a contratação de médicos cubanos que vão trabalhar no Brasil pelo Programa Mais Médicos.

A Opas fez acordo com Cuba, prevendo inicialmente a vinda de 4 mil médicos cubanos. Os primeiros 400 profissionais desse acordo vão atuar em parte das 701 cidades que não receberam inscrições individuais de médicos.

Além de detalhes sobre a contratação e por que ela foi feita por meio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), os senadores querem saber informações das condições de trabalho que serão oferecidas aos médicos estrangeiros que atuarão no interior.

Segundo a senadora Ana Amélia (PP-RS), autora do requerimento, dos R$ 10 mil de salário a serem pagos a esses médicos, apenas R$ 1,5 mil serão entregues aos profissionais, sendo os demais R$ 8,5 mil destinados ao governo de Cuba. “Isso é precarização do trabalho. O governo federal não está sendo claro e transparente sobre a forma de contratação desses médicos”, disse.

Inicialmente nem a Opas nem o Ministério da Saúde souberam especificar quanto dos R$ 10 mil pagos por médico será repassado para os profissionais, porém, o secretário adjunto de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Fernando Menezes, disse depois que a remuneração ficaria entre R$ 2,5 mil e R$ 4 mil.

O convite foi aprovado nesta quarta-feira (28) pela Comissão de Assuntos Sociais, mas a audiência que vai ouvir as autoridades será conjunta com mais cinco comissões, entre elas, a de Educação e a de Assuntos Econômicos.