Senador propõe fim do tratamento cerimonioso a autoridades

Para o senador Roberto Requião, um tratamento herdado da monarquia não cabe numa democracia, onde deve haver igualdade

Uma proposta apresentada pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR) prevê que cidadãos e detentores de cargos públicos sejam chamados simplesmente de “senhor” ou “senhora”, excluindo as formas de tratamento “excelência” e “doutor” (PLS 332/2017).

O senador quer pôr fim ao modo cerimonioso de tratar autoridades depois que a procuradora da República Isabel Vieira protestou, ao ser chamada de “querida” pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em depoimento ao juiz Sérgio Moro, no Paraná. Ela exigiu a forma protocolar devida.

Para Requião, um tratamento herdado da monarquia não cabe numa democracia, onde deve haver igualdade.

A proposta está em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), como informa a repórter da Rádio Senado Iara Farias Borges.

Este conteúdo foi originalmente publicado no site da Agência Senado.