Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Guedes e "empregada doméstica"; SEB compra Mapple Bear; WhatsApp: 2 bi de usuários

SEB compra 70% da operação global da Mapple Bear

O grupo Sistema Educacional Brasileiro (SEB), do empresário brasileiro Chaim Zhaer, anunciou a aquisição de 70% da canadense Maple Bear Global Schools, que atua em mais de vinte países como China, Malásia, Estados Unidos, Vietnam, Marrocos e Brasil. O SEB já havia adquirido em 2017 a operação da Mapple Bear no Brasil, tornando-se o principal franqueador. Agora, será controlador global, aumentando seu processo de internacionalização. Os 30% restantes da empresa canadense ficarão com o fundador da rede, Rodney Briggs, que continuará como presidente da empresa. O valor do negócio não foi divulgado.

Totvs dobra lucro 

A Totvs mais que dobrou seu lucro no quarto trimestre. A produtora de softwares de gestão anunciou nesta quarta-feira que seu lucro ajustado de outubro a dezembro somou 71,3 milhões de reais, alta de 107,8% ante igual etapa de 2018. A margem Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) subiu 4,5 pontos percentuais no comparativo anual, para 18,9%. A alta no lucro foi gerada por uma combinação promissora: de um lado, a receita da Totvs subiu 7,5% na comparação com o quarto trimestre de 2018, para 579,3 milhões de reais; enquanto isso, os custos tiveram retração de 2,3%, para 191,5 milhões de reais, sobretudo devido à menor taxa de calotes.

Suzano: lucro cai 61%

A empresa de papel e celulose Suzano divulgou nesta quarta-feira lucro líquido de quarto trimestre de 2019 dentro do esperado pelo mercado, mas ainda assim com más notícias, O lucro foi de 1,17 bilhão de reais de outubro a dezembro, queda de 61% na comparação anual. O Ebitda também mostrou queda de 31%. Os preços da celulose despencaram no ano passado em meio ao excesso de estoques na cadeia mundial, que obrigou a Suzano a anunciar em novembro estratégia para vender ativos florestais e cortar mais de 1 bilhão de dólares em investimentos prometidos anteriormente.

WhatsApp: 2 bilhões de usuários

O WhatsApp anunciou um marco em sua história: pela primeira vez, o aplicativo de mensagens atingiu 2 bilhões de usuários ativos mensalmente no mundo. O número equivale a mais de um quarto da população do planeta e representa um crescimento de 344% em quantidade de usuários desde que o Facebook comprou o app de mensagens, em 2014. A empresa comandada por Mark Zuckerberg, presidente e cofundador da empresa, também detém o Instagram e o Facebook Messenger (aplicativo de mensagens da rede social homônima), com 1 bilhão e 1,3 bilhão de usuários, respectivamente.

Guedes: “empregada doméstica indo para Disneylândia, uma festa danada”

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira, 12, que o dólar mais alto é “bom para todo mundo”. E recomendou que os brasileiros viajem pelo Brasil. “O câmbio não está nervoso, (o câmbio) mudou. Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Todo mundo indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia, uma festa danada. Pera aí”, disse o ministro. “Vai passear em Foz do Iguaçu, vai passear ali no Nordeste, está cheio de praia bonita.” O dólar bateu o quarto recorde consecutivo em relação ao real. A moeda norte-americana encerrou o dia vendida a 4,3505 reais, em alta de 0,55%. Para Guedes, a mistura entre juros baixos e câmbio alto é bom, porque aumenta as exportações e substitui importações, inclusive no turismo.

Sem clima político para reformas?

O governo praticamente desistiu de enviar ao Congresso proposta de reforma administrativa, que mexeria profundamente com as regras do funcionalismo público. O texto não tem mais prazo para chegar aos parlamentares. O recuo foi decidido pelo Palácio do Planalto após consultas a lideranças no Parlamento, que apontaram falta de “clima político” para o governo enviar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). “Não tenho como precisar um prazo para a reforma administrativa ir ao Congresso”, admitiu ao jornal O Estado de São Paulo o secretário-geral da Presidência, Jorge Oliveira. Um integrante da equipe econômica disse que a reforma já estava pronta, mas a decisão é política. O presidente Jair Bolsonaro ainda não bateu martelo em muitos temas da proposta levada pela equipe econômica.