São Paulo cria laboratório para o trânsito

A prefeitura, em parceria com a USP, pretende usar todas as conexões que a internet possibilita para melhorar o trânsito e o fluxo dos ônibus da capital

São Paulo – Os semáforos de São Paulo finalmente devem começar a “conversar” entre si e serem reprogramados à distância, respondendo ao tamanho dos congestionamentos.

A Prefeitura cria nesta sexta-feira, 21, o Laboratório de Mobilidade de São Paulo – uma tentativa de R$ 800 mil em parceria com a Universidade de São Paulo para usar todas as conexões que a internet possibilita para melhorar o trânsito e o fluxo dos ônibus da capital.

O laboratório vai oferecer dados públicos do sistema de semáforos, radares, câmeras da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), catracas e GPSs dos ônibus e até celulares de motoristas e passageiros de coletivos.

A ideia é dar todas as ferramentas para desenvolvedores de programas criem saídas tecnológicas para os problemas de mobilidade.

“Vamos dar bolsas de R$ 350 a até R$ 5.900 para os projetos selecionados”, diz o chefe de gabinete da SPTrans e coordenador do laboratório, Ciro Biderman. Há projetos já pré-aprovados. Um deles cruza dados da bilhetagem do sistema de ônibus com os GPSs dos coletivos e determina a lotação dos ônibus.

“Para o usuário, é uma informação que determina se a pessoa tem de embarcar no ônibus que está esperando ou se pode esperar pelo próximo coletivo. Para nós, ajuda a planejar melhor as linhas”, diz Biderman. Outro projeto é o de integração dos semáforos.


Atualmente, os cerca de 6.500 faróis da capital vêm de três fabricantes diferentes. Os sistemas não conversam entre si e muitos deles são obsoletos. O projeto em andamento tenta solucionar a falta de conexão.

Protocolo aberto.

Tudo isso só é possível porque o Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétrica da USP desenvolveu um protocolo aberto que integra todas essas fontes de informação. A USP vai atuar no laboratório atestando que as propostas apresentadas realmente tenham códigos abertos – que podem ser usados por qualquer um.

“Analisamos equipamentos que supostamente tinham código aberto, mas descobrimos que eles estavam ligados à esquemas fechados, que só algumas empresas tinham controle”, diz o professor da USP Eduardo Mário Dias.

Governo aberto.

O laboratório é principal aposta da gestão Fernando Haddad (PT) de criação de um governo aberto – expressão que prevê transparência de informação, inovação tecnológica e participação popular. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.