Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Santos Cruz demitido; secretária de imprensa de Trump deixa o governo e acordo com Mercosul é prioridade para UE, diz comissária de comércio do bloco

Santos Cruz demitido

Caiu ontem o terceiro ministro do governo de Jair Bolsonaro. Antes de viajar a Belém, no Pará, o presidente comunicou que havia demitido o general Carlos Alberto Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República. Quem assumirá a pasta é outro militar, o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, atual chefe do Comando Militar do Sudeste. Estavam presentes durante o comunicado o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

A justificativa para a demissão foi a de que o general adotava posturas desalinhadas com as do presidente em termos de comunicação e que centralizava poder em sua pasta. Santos Cruz vinha acumulando desgastes no governo desde quando reagiu a críticas do escritor Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro, a quem atribuiu uma “personalidade histérica”.

Popularidade de Moro cai após escândalo

Uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 13, sugere que a imagem de Sergio Moro sofreu impacto após os vazamentos divulgados pelo site The Intercept. A visão positiva sobre o ex-juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública foi de 60% em maio para 50,4% atualmente, enquanto a imagem negativa foi de 31,8% para 38,6% no mesmo período. Não houve movimentos similares para outros ministros ou para a avaliação do governo Bolsonaro, cuja taxa de ótimo ou bom foi de 28,6% em maio para 30,4% em junho enquanto a de ruim ou péssimo foi de 36,2% para 37,4%. A pesquisa foi realizada pela Atlas Político nos dias 11 e 12 de junho por meio de convites online enviados randomicamente e que refletem a composição da população brasileira. A margem de erro é de dois pontos porcentuais.

BPC e capitalização ficam fora da previdência

Uma versão modificada da reforma da Previdência foi apresentada nesta quinta-feira, 13, por Samuel Moreira (PSDB-SP), relator da emenda constitucional na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. O novo texto reduz a previsão de economia com a proposta, de 1,2 trilhão de reais para 913 bilhões de reais no prazo de uma década. Entre as principais alterações no texto aprovado, estão a retirada do Benefício de Prestação Continuada (BPC), benefício de um salário mínimo pago a deficientes e pessoas a partir dos 65 anos em situação de miserabilidade, e o sistema de capitalização, uma grande derrota para o ministro da Economia, Paulo Guedes e para a proposta inicialmente apresentada pelo governo.

Petrobras recebe mais de US$ 1 bilhão em ofertas por ativos

Em meio ao processo de desinvestimentos que vem sendo praticado pela Petrobras, a companhia recebeu nesta quinta-feira, 13, as propostas finais para a venda de ativos em águas rasas dos polos Enchova e Pampo, na Bacia de Campos. Segundo a empresa, as ofertas recebidas ultrapassam o montante de 1 bilhão de dólares, considerando pagamentos firmes e contingentes. A Petrobras também ressaltou que o recebimento de ofertas finais é uma etapa do processo competitivo e que a transação ainda precisa ser submetida à aprovação dos órgãos competentes para ser executada.

Retomada de exportação de carne bovina à China

O governo brasileiro anunciou nesta quinta-feira, 13, a retirada de uma suspensão temporária para empresas do país exportarem carne bovina à China. A suspensão foi imposta pelo próprio governo no último dia 3, devido a um caso atípico da doença da vaca louca no Mato Grosso. “Voltaremos a emitir os certificados sanitários normalmente e continuar com nossas exportações para o país asiático”, disse a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em mensagem no Twitter. A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) esperava a liberação das exportações para o final deste mês. E a entidade avaliou ainda, anteriormente, que os negócios para a China voltariam com força, após embarques represados. As compras chinesas de carnes estão fortes no momento em que o país asiático enfrenta as consequências da contaminação de suas criações de porcos pela peste suína africana. A China e Hong Kong respondem por cerca de 40% das exportações do produto do Brasil, maior exportador global.

Sarah Sanders deixa governo Trump

A secretária de imprensa do governo dos Estados Unidos, Sarah Sanders, deixará a Casa Branca até o final do mês, segundo informou o presidente Donald Trump pelo Twitter. Ela serviu ao presidente desde o começo de sua Presidência, ocupando o cargo que antes era de Sean Spicer. Pela rede social, Trump a agradeceu pelos serviços prestados. “Depois de 3 ½ anos, nossa maravilhosa Sarah Huckabee Sanders deixará a Casa Branca no final do mês e irá para casa para o grande estado de Arkansas”, escreveu o presidente. “Ela é uma pessoa especial de talentos extraordinários, e fez um trabalho incrível! Espero que ela decida concorrer para ser governadora de Arkansas — ela seria fantástica”. Desde o ano passado, havia rumores de que Sanders planejava deixar a administração. Com sua saída, restam poucos funcionários que estão com Trump desde o início de seu mandato, em janeiro de 2017.

Putin demite policiais envolvidos em prisão de jornalista

O presidente russo Vladimir Putin, demitiu, nesta quinta-feira, 13, duas autoridades policiais envolvidas na detenção por tráfico de drogas do jornalista investigativo Ivan Golunov, que foi solto e teve as acusações contra ele retiradas após a mobilização da sociedade civil. Na terça-feira, algumas horas depois que as acusações contra Golunov foram retiradas, o ministro russo do Interior, Vladimir Kolokoltsev, afirmou que pediria a Putin para retirar ambos de suas funções. Jornalista do veículo independente Meduza, conhecido por suas investigações sobre corrupção das elites e fraudes em setores como microcrédito, Ivan Golunov foi detido na última quinta-feira. Ontem, a polícia reprimiu uma marcha organizada em seu apoio em Moscou e prendeu mais de 200 pessoas.

UE: “acordo com Mercosul é prioridade”

Selar um acordo de livre comércio com o Mercosul após 20 anos de negociações é a “prioridade número um” da União Europeia (UE), afirmou nesta quinta-feira, 13, a comissária de Comércio do bloco, Cecilia Malmstrom. As negociações da UE com o Mercosul, o quarto maior bloco comercial do mundo, se intensificaram desde que as discussões do acordo comercial entre a Europa e os Estados Unidos foram congeladas, por determinação do presidente americano, Donald Trump. Malmstrom disse que não deseja definir um prazo final para a conclusão do acordo, mas disse acreditar que ele pode ser fechado durante o mandato atual Comissão Europeia, que vai até o final de outubro. “Há alguns assuntos complicados faltando, mas esta é a prioridade número um agora”, disse.

Boris Johnson na liderança para o parlamento

O ex-prefeito de Londres, Boris Johnson, confirmou nesta quinta-feira, 13, seu favoritismo para substituir Theresa May na liderança do Partido Conservador britânico e, consequentemente, no cargo de primeiro-ministro do Reino Unido. Em uma primeira votação secreta no Parlamento, três dos dez aspirantes ao cargo já foram eliminados. Os 313 deputados conservadores votaram na primeira de uma série de rodadas destinadas a reduzir a disputa interna a apenas dois candidatos. A votação serviu, sobretudo, para confirmar o amplo favoritismo de Johnson, especulado desde a renúncia de May no último dia 24. Ele foi apoiado por 114 dos deputados, muito à frente do segundo colocado, o chanceler Jeremy Hunt, com 43 votos.