Ritmo de investimento este ano será menor, diz ministro

A desaceleração, porém, não impedirá a construção de grandes obras, como as usinas hidrelétricas, apontou Gilberto Carvalho

Brasília – O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, afirmou que o ritmo de investimentos este ano será um pouco menor, mas que isso não impedirá a construção de grandes obras, como as usinas hidrelétricas.

“Esse ano é um ano em que o investimento é um pouco menor, mas não significa paralisação. Tanto que as grandes obras estão continuando. Belo Monte [usina hidrelétrica] deve começar a partir do mês de julho”, disse ao participar do programa de rádio Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência em parceria com a EBC Serviços.

Segundo ele, o primeiro ano da gestão da presidenta Dilma Rousseff será o de “freio de arrumação”, por causa do aumento de gastos governamentais em 2009 e perda de receita para conter os efeitos da crise financeira mundial. Carvalho lembrou que o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou grande volume de investimento e financiamento dos bancos estatais às empresas e reduziu impostos para estimular o consumo, medidas, segundo Carvalho, acertadas.

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Minha Casa, Minha Vida foram os mais poupados do corte, segundo Carvalho, por serem considerados o “coração para a manutenção do desenvolvimento” do Brasil.

Responsável pela interlocução do governo com os movimentos sociais, Carvalho admitiu que a pauta de reivindicações não será atendida por completo devido ao corte orçamentário. “É inegável que este ano nós poderemos atender em uma escala menor as reivindicações dos movimentos sociais”, argumentou.