Risco para febre aftosa em Roraima cai de alto para médio

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Neri Geller, assinou instrução normativa alterando a classificação, em Boa Vista, capital do estado

Brasília – O estado de Roraima teve sua classificação para febre aftosa alterada hoje (12) de risco alto para médio em relação à doença.

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Neri Geller, assinou instrução normativa alterando a classificação, em Boa Vista, capital do estado.

Roraima, Amapá e Amazonas são as três áreas no país ainda não declaradas livres da doença.

Com a mudança no status de Roraima, o estado junta-se ao Amazonas, também considerado de médio risco.

O Amapá ainda é catalogado como uma região de risco elevado. Segundo o Ministério da Agricultura, o último caso de febre aftosa em Roraima foi no município de Caroebe, em 2001.

O reconhecimento de Roraima como zona de médio risco para a doença será publicado amanhã (13) no Diário Oficial da União.

O objetivo do Ministério da Agricultura é que em 2015 o Brasil seja reconhecido pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE) como país livre da febre aftosa.

Atualmente, a OIE reconhece 23 estados brasileiros e o Distrito Federal como livres da aftosa, com vacinação.

O estado de Santa Catarina é o único a ter o status de livre da aftosa sem necessidade de vacinação.

Segundo o ministério, o Brasil se mantém sem ocorrência de febre aftosa há oito anos.