Renan chama Temer de “mordomo de filme de terror”

Renan cogitou enviar uma carta ao vice-presidente Michel Temer depois que os dois trocaram farpas

Brasília – O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), cogitou enviar uma carta ao vice-presidente Michel Temer depois que os dois trocaram farpas, nessa quarta-feira, 16, em torno da decisão da Executiva Nacional do PMDB de aprovar resolução destinada a interferir em filiações ao partido.

Renan levou um esboço de seus escritos e pediu a opinião de colegas no plenário. Segundo relatos, ele disse que iria sugerir ao vice que, se perdesse o cargo, Temer poderia pensar em outros empregos, como “mordomo de filme de terror ou carteiro”.

A referência a “carteiro” seria uma alusão à carta privada que o vice endereçou à presidente Dilma Rousseff na qual reclamava de que não tinha a confiança da petista.

“Mordomo de filme de terror” foi ironia lançada contra Temer, em 1999, pelo ex-senador Antônio Carlos Magalhães, já falecido. Na época, ACM era presidente do Senado e reagiu a nota enviada pelo peemedebista, então presidente da Câmara.

“Não envie carta alguma, o senhor não deve se rebaixar”, aconselhou um senador petista a Renan ainda nessa quarta, no plenário. As considerações não foram suficientes e o presidente do Senado resolveu consultar outros colegas no jantar de Natal oferecido por ele na residência oficial.

Bem-humorado, Renan se uniu a uma roda de senadores de oposição e confessou o plano de escrever uma carta, sugerindo as novas qualificações de Temer. Os senadores se divertiram com a possibilidade, mas recomendaram temperança. “Escreve, dorme e amanhã o senhor avalia se deve enviar”, sugeriram.

Alguns parlamentares, no entanto, levantaram a hipótese de que Renan não enviaria a carta. Mostrando seus escritos de roda em roda durante o jantar, ele já faria com que o recado chegasse facilmente a Temer, sem precisar mandar selar o envelope.

O vice-presidente não foi convidado para a festa. “Se foi, já foi desconvidado”, suspeitou um tucano. Outro avaliou que o jantar é para o Senado e que, nos últimos anos, também não contou com o vice.

Temer e Renan trocaram críticas, nessa quarta-feira, após a Executiva decidir que a direção nacional do PMDB, sob comando do vice-presidente, dará a palavra final em filiações partidárias.

O objetivo seria impedir a entrada de nomes pró-governo suficientes para reverter a troca do líder do PMDB na Câmara.

O presidente do Senado, que é presidente do diretório estadual do partido em Alagoas, chamou a medida de “retrocesso” e “um horror”. Em resposta, Temer disse que “o PMDB não tem dono e nem coronéis”.

Jantar

Os senadores compareceram em peso ao jantar de confraternização promovido por Renan. A rua que dá acesso à residência oficial do Senado estava abarrotada de carros oficiais. A exceção foi um modesto modelo hatch, estacionado inconvenientemente na esquina pelo senador Reguffe (PDT-DF), que se recusa a usar o carro oficial.

“O Senado está todo aí, o que reforça o esteio que Renan representa hoje. Ele é um dos poucos pilares que ainda sustentam o governo”, analisou Cássio Cunha Lima (PSDB-SP).

Muito diferente da badalada festa oferecida pelo líder do PMDB no Seando, Eunício Oliveira (CE) há uma semana, o jantar de Renan teve ares de confraternização oficial. A maior parte dos convidados deixou a casa após duas horas de evento.

O cardápio não teve extravagâncias. Na saída, os convidados ganhavam de lembrança um bolinho e uma mensagem com os votos da família Calheiros.

Ministros peemedebistas também marcaram presença. Celso Pansera, responsável pela pasta de Ciência e Tecnologia, alvo de buscas da Operação Lava Jato nesta semana, apresentou-se a cada um dos convidados, cumprimentando-os. Houve quem criticasse, relembrando que, noutros tempos, era o ministro quem era recebido com pompas de autoridade.

Nas rodinhas de conversa, os senadores se ativeram às amenidades e preferiram evitar temas políticos. A exceção foi Romero Jucá (PMDB-RR), que apresentou uma tese para amenizar o insucesso da política de concessões. Ele sugeriu crédito subsidiado às empresas participantes para compensar as altas taxas de retorno. Como prêmio, demais senadores lhe concederam o título de futuro ministro da Fazenda, com a esperada saída do cargo do ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Não faltaram também paródias do desentendimento entre a ministra da Agricultura Kátia Abreu (PMDB) e o senador José Serra (PSDB-SP), ocorrido na festa anterior.

A ministra jogou vinho em Serra após ser chamada por ele de “namoradeira”. Elogiada pelo seu vestido, a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) brincou, avisando que estava com a taça de vinho na mão.

Kátia Abreu também não perdeu a festa. Desta vez, foi acompanhada do marido. Serra não apareceu.