Renan Calheiros é reeleito presidente do Senado

Peemedebista contou com 51 votos, contra 28 de seu adversário, José Agripino (PFL-RN)

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) foi reeleito nesta quinta-feira (1/2) para a presidência do Senado. Calheiros conquistou 51 votos, contra 28 do pefelista José Agripino. Com isso, ele continuará à frente da Casa no biênio 2007/2008. Durante seu discurso, Calheiros afirmou que o Legislativo está “gradativamente” recuperando a sua autonomia e defendeu o fortalecimento do Senado.

A vitória, porém, também pode ser vista como benéfica ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem o senador como um de seus aliados. Ao longo da semana, os observadores já davam como certa a recondução de Calheiros ao comando do Senado.

Calheiros criticou o uso extremado de medidas provisórias pelo Poder Executivo. Na apresentação de sua plataforma para os próximos dois anos, Calheiros admitiu que o Senado chegou a ter 70% de suas sessões trancadas por causa de MPs vencidas. Ele destacou que os senadores já aprovaram e remeteram à Câmara uma proposta para criar “um filtro severo” para o uso de MPs.

Já Agripino elogiou a “civilidade” da disputa com Calheiros e afirmou que o Congresso precisa recuperar sua “capacidade de inciativa”. O senador também criticou a edição de MPs pelo governo. Ele propôs um regime rotativo de indicação dos relatores das MPs. O objetivo seria contar com pareceres contrários em medidas polêmicas. Agripino declarou, ainda, que o Senado precisa resistir à “tentação do autoritarismo populista”.

A grande disputa, porém, é aguardada para às 15 horas, quando começa a eleição do presidente da Câmara. Dois candidatos da situação ameaçam rachar a base governista – o petista Arlindo Chinaglia e o atual presidente da Casa, Aldo Rebelo (PCdoB). O terceiro concorrente é o tucano Gustavo Fruet. As sondagens indicam que haverá segundo turno entre Chinaglia e Rebelo. Neste caso, a eleição deve se estender até perto da meia-noite.

Com informações da Agência Senado.