Relatório da Wada aponta Brasil em nono no ranking do doping

Entre 217.762 amostras analisadas pelos laboratórios credenciados no ano retrasado, 1.462 foram confirmados como doping

Lausanne – Ao mesmo tempo em que se celebra os 100 dias para os Jogos Olímpicos do Rio, a Agência Mundial Antidoping (Wada) divulgou, nesta quarta-feira, o seu relatório a respeito dos exames antidoping realizados em 2014.

Entre 217.762 amostras analisadas pelos laboratórios credenciados no ano retrasado, 1.462 foram confirmados como doping. Em um ranking de países, o Brasil é o nono colocado, com 46 casos.

De acordo com a Wada, a lista é liderada pela Rússia, com 148 casos. Em segundo vem a Itália, com 123 (56 no ciclismo), seguida pela Índia (96, sendo 45 em levantamento de peso).

Também aparecem à frente do Brasil a Bélgica (91), França (91), Turquia (73), Austrália (49) e China (49). A Coreia do Sul, com 43, completa o Top 10.

A Rússia lidera, mas está também entre as que mais exames realizou. De acordo com o relatório da Wada, a Agência Antidoping da Rússia (Rusada) colheu 12.556 amostras em 2014, ficando atrás apenas da agência chinesa (13.180).

Nessa lista a Usada (EUA) aparece muito atrás, com 7.167 exames.

Entre as federações internacionais, a de ciclismo é, disparada, quem mais realiza exames. Foram 9.483 em 2014. Atletismo (3.841) e tênis (2.955) aparecem na sequência.

Já a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) é recordista com sobras entre as confederações esportivas nacionais. Só ela realizou 4.844 exames.

Isso se explica pelo fato de, até 2014, a Agência Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) ainda não estar em funcionamento. Por isso, as confederações brasileiras eram responsáveis pelos exames.

A maior parte dos casos de doping confirmados de brasileiros em 2014 foi do atletismo (13). Futebol (sete), fisiculturismo (seis) e levantamento de peso (seis) aparecem na sequência.