PT vai ao TSE contra Globo, Huck e Faustão por abuso de poder

Apresentador global é alvo do processo por supostamente ter se beneficiado da participação no programa Domingão do Faustão do último domingo

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) e o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) entraram nesta segunda-feira, 8, com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a TV Globo e os apresentadores da casa Fausto Silva e Luciano Huck por praticarem, em tese, abuso dos meios de comunicação e de poder econômico.

Embora tenha negado que seja candidato à Presidência em 2018, Huck é alvo do processo por supostamente ter se beneficiado da participação no programa Domingão do Faustão deste domingo, 7.

No documento, os líderes do PT na Câmara e no Senado pedem à Corregedoria-Geral Eleitoral que seja declarada a caracterização de abuso de poder econômico e dos meios de comunicação com a aplicação das penalidades de inelegibilidade de Huck ou da cassação do possível registro de sua candidatura. Além disso, requerem ainda pagamento de multa por parte dos três acusados.

Os parlamentares alegam que, durante o programa, houve uma “demonização da atual política, dos políticos que a representam, dos pré-candidatos que ostensivamente já se apresentaram para a sociedade como postulantes ao cargo presidencial e, de forma subliminar, a exaltação da pré-candidatura de Luciano Huck”.

Os petistas ressaltam que boa parte do programa foi destinada a discutir a questão política, colocando Huck como uma figura “capaz de mudar a realidade vigente (…), diferente de tudo e de todos que aí se encontram”.

Para os parlamentares, a emissora promove a pré-candidatura do apresentador de forma objetiva e direta, o que causa “interferência antecipada na lisura e na igualdade da disputa presidencial”.

Em novembro, Huck afirmou em um artigo no jornal Folha de S. Paulo que não participaria das eleições de 2018 como candidato à Presidência. No entanto, no último domingo, ele não descartou a possibilidade de se candidatar no futuro.

Durante o programa, Huck e a mulher, a apresentadora Angélica, responderam a perguntas do público e, depois, foram questionados sobre política pelo apresentador Fausto Silva.

“Minha missão esse ano é tentar motivar as pessoas a que votem com muita consciência e que a gente traga os amigos que estão a fim para ocupar a política, senão não vai ter solução. Eu nunca, jamais, vou ser o salvador da pátria e o que vai acontecer na minha vida eu também não sei. Eu amo o que eu faço, eu amo estar todo sábado na televisão, eu gosto muito de estar com as pessoas, de contar as histórias. Então, o que o destino e o que Deus espera para mim, vou deixar rolar”, respondeu.

Outro lado

A TV Globo enviou uma nota sobre o caso. Leia a íntegra:

“A TVG cumpre rigorosamente a legislação eleitoral e tem uma política interna sobre eleições ainda mais rigorosa do que a lei. No período que antecede anos eleitorais, conversamos com diversos profissionais do nosso casting para relembrá-los sobre as regras que, entre outras restrições, impedem que contratados da emissora que desejem se candidatar permaneçam no ar em qualquer programa. A TVG reitera que não apoia qualquer candidato e que se limitará a realizar a cobertura jornalística das eleições de 2018, seguindo as regras de seus princípios editoriais.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alexandre Diniz

    Já tive a oportunidade de participar indiretamente de um quadro do Luciano Huck (Lata Velha). Pessoalmente, ele não é nada parecido com a figura que vemos na televisão, pois nessa ocasião ele foi muito grosseiro e mal educado com o participante de seu quadro. Ao contrário de sua equipe de restauradores que eram pessoal extremamente educadas e respeitosas. Para fazer o quadro, sua equipe chegou um dia antes, preparou tudo, trouxe trailer e todo material de apoio. O Luciano veio de jatinho, fez a gravação, entrou no jatinho e foi embora, sem nem cumprimentar os responsáveis pelo estabelecimento cedido para as gravações. Ele só conversava com o participante do quadro durante as gravações, onde ele “atua” (como um ator mesmo, uma figura que não existe), abraçando e fazendo todo aquele “show” comovente. Quando terminam as gravações, ele simplesmente vira as costas, recebe um kit de higiene, se limpa daquele “pobre que teve de abraçar”, entra no jatinho e some. Não dá nem tchau. Ou seja, trata-se de um ator, que na frente das câmeras é um ator, e nos bastidores é um ser bem desprezível e desconectado da realidade.