PT rebate delator da Lava Jato sobre doações à legenda

O partido rebateu executivo da Toyo Setal, que afirmou que a propina paga no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras era feito por meio de doações à legenda

Brasília – A Secretaria de Finanças do PT emitiu nota rebatendo declaração de executivo da empresa Toyo Setal de que o pagamento de propina no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras foi feito por meio de doações oficiais à legenda.

“Reiteramos que o PT somente recebe doações em conformidade com a legislação eleitoral vigente”, cita a nota.

“No caso específico, o próprio depoente reconhece em seu depoimento que foi orientado pela secretaria de Finanças do PT a efetuar as doações na conta bancária do partido. Os recibos foram declarados na prestação de contas apresentada ao TSE. Ou seja, todo o processo ocorreu dentro da legalidade”, cita nota da Secretaria de Finanças petista divulgada nesta quarta-feira, 3.

Como informou mais cedo o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o executivo da Toyo Setal Augusto Mendonça, um dos delatores da Operação Lava Jato, disse em depoimento à Polícia Federal que o pagamento de propina no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras foi feito por meio de doações oficiais.

Mendonça, que depôs na PF em 29 de outubro depois de fechar um acordo de delação com o Ministério Público Federal (MPF), disse ainda que o pagamento de propina cobrado pelo ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque era feito de outras duas formas.

Além das doações oficiais ao PT, Duque recebeu por meio de remessas ao exterior e parcelas em dinheiro vivo.

O depoimento foi prestado após Camargo ter fechado em outubro um acordo de delação com o Ministério Público Federal no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

A própria Toyo Setal também firmou acordo de leniência com o MPF para contribuir com as investigações a fim de desmontar um esquema de corrupção envolvendo a Petrobras.