PSL suspende Eduardo Bolsonaro e confirma punições a outros 17 deputados

Com a confirmação das funções partidárias suspensas, o filho do presidente Jair Bolsonaro poderá ser destituído da liderança da sigla na Câmara

Brasília — O Diretório Nacional do PSL confirmou, no início da tarde desta terça-feira (03), as punições a 18 deputados do partido, entre advertências e suspensões das atividades partidárias.

O atual líder da bancada, Eduardo Bolsonaro (SP), foi um dos que teve a maior punição, com 12 meses de suspensão. Com a confirmação das funções partidárias suspensas, ele poderá ser destituído da liderança.

Deve haver, por parte dos bolsonarista, um questionamento em relação ao regimento interno da Câmara, que define que o líder será escolhido pela maioria dos membros do partido.

Segundo o deputado Filipe Barros (PR), único bolsonarista presente na reunião, não há especificidade nas regras internas da Casa sobre o parlamentar estar suspenso ou não. A questão deve ser encaminhada à Secretaria-Geral da Mesa para ser analisada, segundo o paranaense.

Além de Eduardo, Bibo Nunes (RS), Alê Silva (MG) e Daniel Silveira (RJ) também foram suspensos por um ano. A suspensão impede que os deputados participem de comissões, assinem listas e falem em nome da sigla no Congresso.

Outros 14 deputados tiveram suspensões definidas entre 3 e 10 meses. Quatro foram advertidos.

Veja a lista dos suspensos:

  • Bibo Nunes: 12 meses
  • Alê Silva: 12 meses
  • Bia Kicis: 6 meses
  • Carla Zambelli: 6 meses
  • Carlos Jordy: 7 meses
  • Daniel Silveira: 12 meses
  • Eduardo Bolsonaro: 12 meses
  • General Girão: 3 meses
  • Filipe Barros: 6 meses
  • Junio Amaral: 3 meses
  • Luiz Philippe de Órleans e Bragança: 3 meses
  • Márcio Labre: 6 meses
  • Sanderson: 10 meses
  • Vitor Hugo: 7 meses

Outros quatro foram advertidos:

  • Aline Sleutjes;
  • Chris Tonietto;
  • Hélio Lopes;
  • Coronel Armando