Professores de federais fazem protesto em frente à Bovespa

A categoria está em greve desde 27 de maio, para forçar o governo a adotar regras mais objetivas de promoção na carreira

São Paulo – Professores, alunos e servidores das universidades federais do estado de São Paulo fizeram um protesto em frente à Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), no centro da capital paulista. A manifestação, que começou por volta das 11h da manhã e durou cerca de uma hora e meia, faz parte de uma série de ações programadas pela categoria para reforçar o movimento pela reestruturação do plano de carreira dos professores das universidades federais do país. Segundo a Polícia Militar (PM), 250 pessoas participaram do protesto, enquanto as lideranças do protesto estimaram a presença em cerca de 500 pessoas.

A categoria está em greve desde 27 de maio, para forçar o governo a adotar regras mais objetivas de promoção na carreira. Atualmente, 51 universidades suspenderam as aulas por causa da greve. No estado de São Paulo, aderiram as universidades federais de São Paulo (Unifesp), de São Carlos (UFSCar) e do ABC (UniABC).

Segundo a presidente da Associação dos Docentes da Unifesp, Virginia Junqueira, a decisão de fazer o protesto em frente à Bovespa é simbólica. “Escolhemos a Bolsa de Valores em alusão à valorização da carreira de docente”.

No final da tarde, integrantes da diretoria e do Comando Nacional de Greve do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) vão se reunir com representantes do governo federal, no Ministério do Planejamento. No momento da reunião, professores da Universidade de Brasília (UnB) programaram um manifestação em frente ao ministério.