Prisão de Lula pode acontecer na próxima semana, avaliam juristas

Após a decisão de ontem do STF, o petista de 72 anos, poderá ser detido na próxima semana, depois que sua equipe de defesa esgotar os últimos recursos

O ex-presidente Lula, condenado por corrução e lavagem de dinheiro e apontado como favorito nas pesquisas eleitorais, viu suas chances de disputar a presidência em outubro diminuírem após o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitar o recurso da defesa para impedir sua prisão.

Depois de mais de dez horas de deliberações, o habeas corpus preventivo apresentado por seus advogados foi negado por 6 votos contra 5 no STF.

De acordo com muitos juristas, o líder do Partido dos Trabalhadores (PT), de 72 anos, poderá ser detido na próxima semana, depois que sua equipe de defesa esgotar os últimos recursos.

O dia 10 de abril, uma terça-feira, é o último dia para a defesa apresentar os chamados “embargos dos embargos”. A partir daí, o relógio pode começar a correr contra o presidente. (Entenda: Após decisão do STF, Lula não será preso imediatamente)

A prisão iminente de quem lidera as intenções de voto para a eleição presidencial agita o cenário da votação, apresentada como uma das mais imprevisíveis das últimas décadas.

“A decisão praticamente põe fim às esperanças de Lula de disputar a eleição presidencial em outubro”, estimou Edward Glossop, analista do escritório britânico Capital Economics, em nota. E ela “abre totalmente a corrida presidencial”, acrescentou.

O ex-presidente (2003-2010) foi condenado em janeiro em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), de Porto Alegre, a 12 anos e um mês de prisão pela acusação de ter recebido um apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, da empreiteira OAS, envolvida no esquema de propinas montado na Petrobras.

Lula nega a acusação, evocando a falta de provas e denunciando um complô para impedi-lo de disputar um terceiro mandato, oito anos depois de deixar o poder com uma popularidade recorde.

“O povo brasileiro tem o direito de votar em Lula, o candidato da esperança. O PT defenderá esta candidatura nas ruas e em todas as instâncias, até as últimas consequências”, reagiu no Twitter o partido, fundado por Lula nos anos 1980.

“A presunção de inocência, este direito fundamental que fatalmente voltará a valer para todos, não valeu hoje para Lula. É um dia triste para a democracia e para o Brasil”, escreveu a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, no Twitter.

“Luta continua”

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) afirmou no Twitter que “não é apenas Lula que querem prender, mas sim o sonho de um país mais justo”.

“Jamais permitiremos. A luta continua”, acrescenta o post.

O ex-presidente também recebeu o apoio do presidente venezuelano Nicolas Maduro, que afirmou no Twitter que “dói a alma pela injustiça. A direita, pela incapacidade de ganhar democraticamente, escolheu o caminho judicial para amedrontar as forças populares. Mais cedo ou mais tarde vencerá a Pátria”.

Como o Brasil, os 11 ministros do Supremo se mostraram profundamente divididos e o pedido de habeas corpus de Lula foi rejeitado por seis votos a cinco.

Embora apertado, esse resultado representa uma vitória para os procuradores da Lava Jato.

Durante o julgamento, o STF foi isolado do público. Do lado de fora, a Polícia montou um cordão de isolamento para separar os manifestantes pró e contra Lula ao longo da Esplanada dos Ministérios, que desemboca na Praça dos Três Poderes.

As tensões que precederam o julgamento tiveram seu auge na terça-feira, quando o comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, assegurou em sua conta no Twitter que “o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia”.

O PSDB, partido derrotado pelo PT nas últimas quatro eleições presidenciais, divulgou um comunicado, no qual afirma que “o ex-presidente não está acima da lei, mas ao alcance dela como todos os brasileiros. Uma decisão em sentido contrário frustraria a sociedade e ressaltaria o sentimento de retrocesso no combate à impunidade”.

Os mercados, instáveis nos últimos dias diante da possibilidade de Lula permanecer livre, deveriam mostrar certo alívio nesta quinta-feira, embora o Capital Economics não preveja euforia, apontando que os “candidatos favoráveis aos mercados, como o governador de São Paulo Geraldo Alckmin, têm intenções de voto de apenas um dígito”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. sinesio gimene

    fica esperto com este stf eles sao loucos pra arrumar confusao, tem uma quadrilha la dentro que ainda nao desistiu, quem pensa que esta acabado esta enganado, o proximo presidente do stf é o tofolofobia, louco pra soltar bandidos , imagina o que eles estao preparando, o quadrilhao esta la se a rosa passar pra la pronto já era