Presidente da Câmara quer, mas Feliciano diz que não sai

Apesar de Henrique Alves ter conseguido a garantia do PSC de que Marco Feliciano deixaria o comando da Comissão, segundo a coluna Radar, o deputado garante que fica

São Paulo – Apesar da vontade do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, o presidente da Comissão de Direitos Humanos Marco Feliciano (PSC-SP) garantiu que não renunciará ao cargo. Mais cedo, o colunista Lauro Jardim, de Veja, publicou que Alves se encontrou com o líder do PSC na Casa, André Moura, e saiu com a garantia de que o pastor sairia ainda hoje.

“O partido é soberano, mas eu não renuncio. Não renuncio”, declarou Feliciano hoje à tarde após mais uma tumultuada reunião da comissão, segundo a coluna Radar.

Explica-se: apesar de ser indicado pelo partido à vaga, Feliciano só sai agora – já eleito – se quiser. Ou seja, o deputado pode estar entrando em rota de colisão com a própria sigla.

Desde que foi escolhido para ser presidente da CDHM, o pastor tem se envolvido diariamente em polêmicas. A última foi a divulgação de um vídeo que causou mal-estar dentro do partido ontem.

“Não concordamos com esse tipo de vídeo”, afirmou André Moura, líder do PSC, sobre o material que contém ataques a deputados e defensores dos direitos dos homossexuais.

Moura vem sinalizando que há apoio no partido para que Feliciano deixe o comando da CDHM.

O próprio pastor deu indícios hoje cedo de que presidir a comissão não está sendo tarefa fácil. O tuíte abaixo foi publicado pela manhã, em preparação para a reunião desta tarde:

Atualizado às 16h30 com a posição de Marco Feliciano de que não renunciará.