Presidenciáveis comentam atentado contra Bolsonaro

Ciro Gomes, João Amêdo, Guilherme Boulos, Geraldo Alckmin, Fernando Haddad, Alvaro Dias e Marina Silva pedem punição ao envolvido em facada contra Bolsonaro

Candidatos à Presidência da República nas eleições 2018 se manifestaram via twitter após atentando contra Jair Bolsonaro, PSL, na tarde desta quinta-feira, 6, véspera de feriado, em Juiz de Fora, MG.

O pedetista Ciro Gomes estava em Caruaru, Pernambuco, quando soube da notícia:  “Repudio a violência como linguagem política, solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbárie”.

João Amoêdo, candidato do Partido Novo, também se manifestou nas redes: “É lamentável e inaceitável o que aconteceu com o Jair Bolsonaro. Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência. Que o agressor sofra as devidas punições. Meus votos de melhoras para o candidato”.

Guilherme Boulos, PSOL, também fez postagem pela rede-social: “Soube agora do que ocorreu com Bolsonaro em Minas. A violência não se justifica, não pode tomar o lugar do debate político. Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato”. 

O tucano Geraldo Alckmin repudiou o ato e afirmou ser “deplorável” . Esperamos que a investigação sobre o ataque ao deputado Jair Bolsonaro seja rápida, e a punição, exemplar”. Igualmente, o petista Fernando Haddad afirmou “repudiar totalmente qualquer ato de violência e desejo pronto restabelecimento a Jair Bolsonaro”. Ele também afirmou em entrevista ao site Congresso em Foco que não se deve entrar em provocações sob nenhum pretexto, e que “nós democratas precisamos garantir um processo pacífico, reforçar os valores democráticos.” 

O candidato do Podemos à Presidência da República, Alvaro Dias, disse em seu twitter que  “a violência nunca deve ser estimulada. Eu não estimulo”.

Marina Silva, da Rede, afirmou ser inadmissível o ocorrido e que “configura um duplo atentado: contra sua integridade física e contra a democracia”.

Henrique Meirelles, MDB, postou que deseja uma recuperação rápida a Bolsonaro e que lamenta qualquer tipo de violência. “O Brasil precisa encontrar o equilíbrio e o caminho da paz. Temos que ter serenidade para apaziguar a divisão entre os brasileiros”.

Bolsonaro foi atingido por uma facada enquanto fazia campanha em Juiz de Fora. Segundo nota da Santa Casa de Misericórdia, o candidato deu entrada no hospital por volta das 15h40 com uma lesão na região do abdômen. Ele passou por uma cirurgia e segundo seu candidato a vice Hamilton Mourão (PRTB), “ele passa bem”.

O autor do crime que está preso foi identificado pela polícia como Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos.