Porta-voz do CML: Não há desrespeito aos direitos humanos no RJ

O porta-voz reafirmou que a prática de fotografar moradores de favela em busca de pessoas com mandado de prisão em aberto não é ilegal

Rio – Não há um histórico de violações de direitos humanos nas ações das Forças Armadas desencadeadas em favelas nos últimos sete meses na segurança pública do Rio, afirmou nesta terça-feira, 27, o porta-voz do Comando Militar do Leste, coronel Carlos Frederico Cinelli. Ele se referia ao período em vigor do decreto da Garantia da Lei e da Ordem (GLO), iniciado em julho de 2017 para o controle da violência no Estado.

“Desde o ano passado, não houve manifestação de violação de direitos humanos numa escala que pudesse representar algo que estivesse acontecendo sistematicamente”, disse Cinelli, ressalvando que os militares sofrem provocações durante o trabalho em comunidades, mas buscam se controlar e não violar leis.

“Eventualmente uma situação ou outra acontece, o nível de estresse é muito elevado ali dentro, e tem indivíduos que são instados pela criminalidade a provocar a tropa. Mas a nossa orientação é o fiel cumprimento das regras de engajamento”, sublinhou.

O porta-voz reafirmou que a prática de fotografar moradores de favela em busca de pessoas com mandado de prisão em aberto, o “sarqueamento”, que ele chamou de “suposto fichamento” não é ilegal, é efetuado pela polícia e tem respaldo do Ministério Público.

A necessidade de se fotografar se deve ao fato de as pessoas mudarem suas feições ao longo dos anos, e, portanto, ficarem diferentes do que mostram as fotos de seus documentos, explicou.

“O MP manifestou que a prática de verificar a identidade com a fotografia é por conta da evolução da fisionomia do indivíduo ao longo do tempo”, pontuou Cinelli.

Ele ressalvou que todo o trabalho dos militares no Rio está sendo alvo de escrutínio externo. “Existem organismos e observatórios encarregados de acompanhar e isso é muito bom. No Estado de Direito, a sociedade precisa acompanhar as atividades, ainda mais ligadas à segurança pública.”

Cinelli foi cercado por jornalistas ao fim da coletiva convocada nesta manhã pelo interventor, general Walter Braga Netto, para dar mais detalhes sobre o trabalho no Rio. Isso porque na coletiva, que durou menos de meia hora, foram respondidas apenas nove perguntas, selecionadas previamente. A brevidade deixou jornalistas insatisfeitos, porque muitas questões ficaram em aberto.

O novo secretário de segurança, general Richard Nunes, e o chefe de gabinete da intervenção, general Mauro Sinott, falaram muito brevemente sobre a atuação das forças de segurança no Rio, sem entrar em detalhes concretos. Não souberam informar, por exemplo, o montante de recursos que o governo federal irá destinar à intervenção.