PM obriga torcida do Palmeiras a ir de ônibus a clássico

Ônibus com os palmeirenses serão escoltados durante todo o trajeto para o local do clássico

São Paulo – Após ameaça da Polícia Militar, líderes das principais torcidas organizadas do Palmeiras acataram ordem da corporação e no domingo vão de ônibus para o Itaquerão, palco do clássico entre as duas equipes pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A acordo foi definido em reunião realizada na manhã desta sexta-feira na sede do 2º Batalhão de Choque da PM.

No encontro, os palmeirenses disseram, num primeiro momento, que não poderiam fazer o trajeto da região da Barra Funda, onde ficam as quadras das organizadas, até o Itaquerão de ônibus por não terem dinheiro para fretar 50 veículos e transportar quase 2 mil pessoas.

O aluguel de cada ônibus, segundo os torcedores, custa R$ 600, o que totalizaria R$ 30 mil. O desejo dos palmeirenses era se descolar até o Itaquerão de Metrô ou trem.

Depois que o comandante do setor de planejamento e operações do 2º Batalhão de Choque, Alexandre Vilariço, avisou que, caso os torcedores do Palmeiras optassem por qualquer meio de transporte diferente do ônibus para se dirigir ao estádio, eles responderiam civil e criminalmente por eventuais problemas que ocorressem no trajeto, os líderes das organizadas recuaram e aceitam a proposta da PM.

Ficou acertado, então, que os ônibus com os palmeirenses serão escoltados durante todo o trajeto e que a PM ficará responsável por manter os veículos em um lugar seguro durante a partida.

“De ônibus, eu garanto a segurança dos torcedores do Palmeiras e dos veículos. De trem e de Metrô, não tem como a gente se responsabilizar”, disse Vilariço.

Jânio Carvalho Santos, diretor e ex-presidente da Mancha Verde, criticou a decisão da PM.

“Não sou expert em segurança, mas sou em torcida organizada e tenho certeza que de ônibus é mais perigoso do que de trem ou Metrô. Sempre colocam a culpa nas torcidas, mas agora é a PM que está se responsabilizando por qualquer problema que possa acontecer”, disse.

Ele também reclamou que na última partida entre Palmeiras e Santos, na Vila Belmiro, semana passada, ônibus da torcida foram apedrejados.

Além de reunir as torcidas dos clubes de maior rivalidade do Estado, a partida de domingo é considerada de alto risco pela PM porque será o primeiro clássico no novo estádio do Corinthians.

“A arena ainda tem uma série de adaptações que precisam ser feitas. Estamos conhecendo a dinâmica do público e a própria torcida ainda está conhecendo melhor o local”, explicou Vilariço. A PM destacou 500 policias para trabalhar na partida – normalmente são 300.