Pizzolato, foragido, se diz perseguido e injustiçado

"Fui necessário para que o enredo fizesse sentido", diz ex-diretor do Banco do Brasil

Rio – Em 35 linhas, Henrique Pizzolato, ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil, condenado no escândalo do Mensalão, tenta justificar sua decisão de fugir para a Itália, país onde também tem cidadania. Antes de dizer que buscará uma nova sentença na Justiça italiana, ele se diz perseguido e injustiçado no Brasil. “Fui necessário para que o enredo fizesse sentido”, diz Pizzolato.

Entre os principais trechos da carta, Pizzolato diz: “Nos últimos anos minha vida foi devassada e não existe nenhuma contradição em tudo que declarei quer seja em juízo ou nos eventos públicos que estão disponíveis na Internet.”

Em meados de 2012, estava no exterior, “acompanhando parente enfermo” e após a condenação decidida em agosto retornou ao Brasil, com convicção de que no recurso teria êxito, “pois existe farta documentação a comprovar a minha inocência”. Mas foi “como se não existissem tais documentos, pois ficou evidente que a base de toda a ação penal tem como pilar, ou viga mestra, exatamente o dinheiro da empresa privada Visanet. Fui necessário para que o enredo fizesse sentido. A mentira do ‘dinheiro público’ para condenar… Todos. Réus, partidos, ideias, ideologia.”

“Por não vislumbrar a mínima chance de ter um julgamento afastado de motivações político eleitorais, com nítido caráter de exceção, decidi consciente e voluntariamente fazer valer meu legítimo direito de liberdade para ter um novo julgamento, na Itália, em um Tribunal que não se submete às imposições da mídia empresarial, como está consagrado no Tratado de extradição Brasil e Itália.”

E encerra agradecendo a pessoas empenhadas em sua defesa, “motivadas em garantir o estado democrático de direito que a mim foi sumariamente negado.”