Piloto de avião teria mentido sobre fazenda de ministro, diz PF

Segundo a Polícia Federal, piloto de avião apreendido com mais de 500 kg de cocaína teria apresentado plano de voo falso

São Paulo – O piloto do avião que carregava mais de 600 quilos de cocaína quando foi interceptado   pela Força Aérea Brasileira (FAB) no domingo (25) afirmou à Polícia Federal (PF) que teria apresentado um plano de voo falso para a Aeronáutica. As informações são do delegado da PF Rodrigo Gama, responsável pelo caso, em entrevista à TV Anhanguera, afiliada da Rede Globo.

Com isso, segundo a versão relatada à PF, o avião não teria decolado da fazenda no Mato Grosso ligada ao ministro da Agricultura Blairo Maggi, como informado pela FAB previamente, mas sim de uma pista na Bolívia.

De acordo com a FAB, em nota publicada neste domingo, o piloto da aeronave afirmou que teria saído da Fazenda Itamarati Norte, no município de Campo Novo do Parecis (MT), que pertence ao grupo Amaggi, da família do ministro, com destino a Santo Antonio Leverger (MT).

Em outra nota, publicada nesta segunda-feira, a Aeronáutica afirma que tais informações ainda estão sendo investigadas. Até o momento, o órgão não comentou as informações da PF.

Em nota, o grupo Amaggi nega qualquer ligação com a aeronave descrita pela FAB e afirma que não emitiu autorização para pouso ou decolagem em uma de suas 11 pistas.  Em posts no Twitter, o ministro afirmou que acompanha investigações e que, como o Mato Grosso, a fazenda arrendada por sua empresa é vulnerável à ação do tráfico.

De acordo com a área de comunicação da Aeronáutica, a intercepção da aeronave  foi feita em ação que faz parte da Operação Ostium, contra ilícitos nas fronteiras.