Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

PIB da China cresce mais que a previsão; CCJ: Previdência hoje; milionários ajudam Notre-Dame e mais...

PIB da China avança 6,4%, acima da expectativa
O produto interno bruto da China avançou 6,4% no primeiro trimestre do ano, ante a expectativa de crescimento de 6,3%. Ainda assim, a taxa está abaixo da alcançada no primeiro trimestre de 2018, de 6,6%. Entre os destaques estão a produção industrial, que avançou 8,5%. O bom resultado desta quarta-feira pode sinalizar que as políticas de estímulo de Pequim têm conseguido evitar quedas mais bruscas no curto prazo.

CCJ marca Previdência para hoje
Após mais de 13 horas de reunião, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara encerrou a fase de discussão da proposta de reforma da Previdência no fim da noite da terça-feira, 16. O colegiado volta a se reunir na manhã da quarta-feira, 17, para iniciar a votação da matéria. A oposição, no entanto, já avisou que irá usar todas as possibilidades regimentais para obstruir a votação. A fase de discussão foi acelerada porque os governistas abriram mão de seus discursos. Inicialmente, a previsão era de que esta primeira fase pudesse durar até a semana que vem.

Moraes contra Dodge
Contra decisão da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, se negou nesta terça-feira, 16, a arquivar o inquérito que investiga supostas fake news contra membros da Corte. Em despacho de quatro páginas, Moraes reagiu enfaticamente à decisão de Dodge, que havia informado o arquivamento da investigação. Mais cedo, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o bloqueio de contas em redes sociais e do WhatsApp de sete pessoas investigadas por publicarem ofensas contra a Corte. Em decisão sigilosa, o magistrado diz que foram verificadas mensagens com “conteúdo de ódio e de subversão da ordem” direcionadas ao STF. Os suspeitos foram alvos de buscas e apreensões realizadas pela Polícia Federal no Distrito Federal, em Goiás e em São Paulo nesta terça-feira, 16.

Impeachment no Supremo?
Um grupo de senadores liderado por Alessandro Vieira (PPS-SE) solicitará à Secretaria-Geral da Mesa do Senado Federal o impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e do ministro Alexandre de Moraes. Para o senador, Toffoli pode perder seu mandato de ministro porque cometeu crime de responsabilidade ao abrir um inquérito para apurar ofensas ao STF e Alexandre de Moraes agiu como Ministério Público ao tomar a dianteira das investigações. Vieira vê “abuso de autoridade” e diz que o fato de Moraes ter negado o a determinação da Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, de arquivar o inquérito ajuda a justificar a necessidade de um impeachment dos ministros.

_

Avianca tem 300 voos cancelados
Cerca de 300 voos da Avianca programados para o período entre 15 e 20 de abril foram cancelados, segundo tabela disponibilizada pela empresa aérea na internet. Os cancelamentos, uma média de 50 voos por dia, se deram em decorrência do fim da matrícula de 10 aeronaves alugadas pela empresa aérea, determinado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) no dia 12 de abril. A medida da Anac dá cumprimento a uma decisão judicial que determinou a reintegração de posse das aeronaves à empresa de leasing, que é a dona das aeronaves. Na última sexta, 12, a empresa já havia comunicado o cancelamento de 179 voos entre os dias 13 e 17 de abril.

_

Centauro abre capital
Na sua segunda tentativa de abertura de capital, o Grupo SBF, dono da loja de artigos esportivos Centauro, conseguiu levantar 772,2 milhões de reais neste que foi o primeiro IPO da B3 este ano. A empresa precificou suas ações a 12,50 reais, dentro do intervalo divulgado pela companhia, que ia de 12,10 a 14,70 reais. A Centauro ofereceu 53.719.009 ações da oferta inicial mais um lote suplementar de 8.057.851. Ao todo, a companhia emplacou 61.776.860 ações. Com o montante levantado, o grupo pretende amortizar suas dívidas e reformar e abrir novas lojas. No começo do ano passado, a Centauro tentou listar suas ações na bolsa, mas teve que adiar a data por não chegar a um consenso com os investidores.

_

Milionários se unem para reerguer catedral
Milionários franceses se reuniram e prometeram arrecadar 600 milhões de euros (2,63 bilhões de reais) para a reconstrução da catedral de Notre-Dame. O presidente Emmanuel Macron prometeu reconstruir o emblemático edifício gótico, cujo pináculo de madeira desabou e parte do telhado foi destruído pelo fogo, finalmente extinto após mais de 12 horas. O bilionário francês Bernard Arnault anunciou nesta terça-feira, 16, que ele e seu grupo LVMH, especializado em produtos de luxo e dono da marca Louis Vuitton, doarão 200 milhões de euros (880 milhões de reais) para a reconstrução. Arnault é o quarto homem mais rico do mundo, segundo o ranking da revista Forbes de 2019. A oferta foi feita depois que a Kering, grupo de moda fundado por outro bilionário francês, François Pinault, ofereceu 100 milhões de euros.

_

Brasil deixa Unasul
O ministério das Relações Exteriores formalizou a decisão de o Brasil deixar a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) pouco depois de ser informado que a Bolívia havia passado para o país a presidência temporária do bloco. “O governo brasileiro denunciou, no dia de hoje, o Tratado Constitutivo da Unasul, formalizando sua saída da organização”, informou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado. Segundo o Itamaraty, a decisão foi informada ao governo do Equador, que é depositário do acordo de criação da Unasul, e terá efeitos daqui a seis meses, contados a partir de hoje. A Unasul está sem secretário-geral desde 2017, quando Ernesto Samper deixou o cargo. Os países que formavam o bloco também não estavam se reunindo por conta das divergências internas. No comunicado, o governo brasileiro lembrou que, junto com Argentina, Chile, Colômbia, Paraguai e Peru, decidiu suspender a participação na Unasul devido à crise no órgão.

_

Cruz Vermelha chega à Venezuela
Um primeiro carregamento de ajuda humanitária da Cruz Vermelha chegou à Venezuela nesta terça-feira, 16, sob a aprovação do ditador Nicolás Maduro. O envio de mantimentos e produtos médicos faz parte de uma operação da organização internacional, não vinculada a nenhum Estado, para abastecer os hospitais locais. Caixas de papelão com os símbolos da Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho foram entregues à equipe local no aeroporto internacional de Maiquetia, nos arredores de Caracas, conforme imagens divulgadas nas redes sociais. A Venezuela sofre com uma grave escassez de remédios e de suprimentos médicos derivada da pior crise econômica de história moderna. No último dia 10 de abril, Maduro anunciou um acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para que a Venezuela recebesse sua ajuda. Até então, o regime de Maduro proibia o ingresso de ajuda humanitária enviado pelos Estados Unidos, Brasil e Colômbia por considerar essas operações uma via para a intervenção militar estrangeira na Venezuela.