Petróleo em praias do Nordeste “provavelmente” é da Venezuela, diz Salles

Ministro se baseia em investigações da Marinha e da Petrobras, que analisam amostras e ainda não deram informações oficiais

Brasília — O petróleo que tem atingido dezenas de praias no Nordeste muito provavelmente é de origem venezuelana e deve ter vindo do derramamento “acidental ou não” de um navio perto da costa brasileira, disse nesta quarta-feira (9) o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

“Esse petróleo que está vindo muito provavelmente é da Venezuela, como disse o estudo do Petrobras. É um petróleo que vem de um navio estrangeiro, ao que tudo indica, navegando perto da costa brasileira, com derramamento acidental ou não”, disse Salles em audiência na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados.

O ministro admitiu que há “enorme dificuldade de conter” as manchas de óleo, mas ressaltou que não se trata de uma “inação dos órgãos públicos”.

O Ministério da Informação da Venezuela e a petroleira estatal PDVSA não responderam de imediato a um pedido por comentários.

Autoridades brasileiras investigam há mais de um mês a misteriosa origem do petróleo que se espalhou por centenas de quilômetros de praias em nove Estados do Nordeste.

A Petrobras, que participa dos trabalhos de limpeza das praias, informou na véspera que já recolheu 133 toneladas de resíduo oleoso.

As declarações de Salles nesta quarta-feira vieram em meio a argumentos do ministro para que o Brasil institua melhores mecanismos de controle de derramamentos de petróleo.

O ministro também defendeu os esforços realizados por autoridades ambientais, militares e outros órgãos para limpeza e investigação do caso.

Investigações

Investigações sigilosas da Marinha e da Petrobras encontraram petróleo com a mesma “assinatura” do óleo da Venezuela em manchas que se espalharam até agora por pelo menos 138 pontos do litoral dos 9 Estados do Nordeste.

A conclusão já foi informada ao Ibama, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente. Mas não é possível dizer que todo o vazamento que atinge praias tem a mesma origem. A Marinha e a Polícia Federal analisam amostras e não deram informações oficiais.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)