Petrobras muda nome de usinas que homenageavam personalidades de esquerda

A empresa justifica a mudança como sendo uma exigência do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI)

A Petrobras alterou o nome de usinas termelétricas. Em vez de homenagear intelectuais, políticos e artistas com biografias relacionadas ao pensamento de esquerda e ao nacionalismo, a estatal retomará, na maioria dos casos, os nomes de origem das unidades geradoras de energia elétrica, atrelados às regiões onde estão instaladas.

Veja também

Em seu site, a Petrobras informa a propriedade de 20 usinas térmicas, metade delas com nomes de políticos, intelectuais e artistas. São elas Rômulo Almeida (BA), Celso Furtado (BA), Jesus Soares Pereira (RN), Aureliano Chaves (MG), Luís Carlos Prestes (MS), Mario Lago (RJ), Governador Leonel Brizola (RJ), Barbosa Lima Sobrinho (RJ), Fernando Gasparian (SP) e Euzébio Rocha (SP).

A informação foi antecipada pelo colunista Ancelmo Gois, no jornal O Globo. A empresa, por meio de sua assessoria de imprensa, justifica a mudança como sendo uma exigência do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) para que os nomes sejam registrados.

“A solicitação foi feita pela Petrobras para facilitar o registro dos nomes no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O art. 124, inciso XV, da Lei de Propriedade Industrial diz que não são registráveis ‘o nome civil ou sua assinatura, nome de família ou patronímico e imagem de terceiros salvo com consentimento do titular, herdeiros ou sucessores’. Com a mudança, a maioria volta a ter o nome original, que faz referência à região onde a usina está localizada”, informou a empresa em nota.