Petistas rebeldes dizem que votar MP seria trair trabalhador

Weliton Prado (MG) foi o único a dar seu voto contrário à MP 665 enquanto outros nove petistas se ausentaram

Brasília – Os deputados petistas que não apoiaram a medida provisória que integra o pacote fiscal disseram na quinta-feira, 7, que votar pela restrição de acesso ao seguro-desemprego seria votar contra o trabalhador.

Weliton Prado (MG), único a dar seu voto contrário à MP 665 – outros nove petistas se ausentaram -, foi chamado de “oportunista” pelos colegas, mas respondeu.

“Fui coerente com minha trajetória e com o compromisso com os trabalhadores”, disse Prado ontem, quando tornou a votar em desacordo com o PT nos destaques da MP. Para o parlamentar, o ajuste fiscal proposto pelo governo não deveria se restringir aos trabalhadores.

“Não é certo fazer ajuste só com o trabalhador. Por que não fazer com os bancos?”

Entre os nove que não apareceram para votar, três não estavam, de fato, na Câmara anteontem: Assis Couto (PR), Professora Marcivania (AP) e Ságuas Moraes (MT).

Outros seis deputados do partido chegaram a marcar presença, mas não votaram: Erika Kokay (DF), Luizianne Lins (CE), Marcon (RS), Padre João (MG), Pedro Uczai (SC) e Zé Geraldo (PA).

Luizianne Lins afirmou, via nota oficial, ter se retirado do plenário por não concordar com o mérito da matéria. “Foi uma decisão política”, disse. Marcon declarou, também por nota, ter se ausentado por entender que as novas regras prejudicam os trabalhadores.

“Não votei contra em respeito ao governo e à bancada do Partido dos Trabalhadores.” Padre João também falou por escrito: “Votar contrário era votar contra a minha bancada e contra o próprio governo”.

No Acre

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu ontem o ajuste fiscal do governo em evento no Acre. “Quando se fala em ajuste fiscal, todos se assustam, mas é uma coisa que até a dona de casa faz.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.