Pesquisa global revela que 86% dos internautas já acreditaram “fake news”

O Centro para a Inovação em Governança Internacional, que fica no Canadá, entrevistou usuários de internet de 25 países

Oitenta e seis por centro das pessoas consultadas em uma pesquisa internacional publicada nesta terça-feira (11) no Canadá admitiram ter acreditado em pelo menos uma notícia falsa com a qual se depararam na maioria das vezes em redes sociais.

As plataformas de redes sociais foram apontadas como as principais responsáveis pela propagação de “fake news” por uma maioria esmagadora (82%) dos consultados em uma pesquisa da Ipsos para o grupo de análise canadense Centro para a Inovação em Governança Internacional.

Segundo a pesquisa, 77% dos usuários do Facebook consultados disseram que viram circular informação total ou parcialmente falsa. Esta cifra cai 62% entre os usuários do Twitter.

Egito (60%), Nigéria (58%), Índia (52%), China (56%), México e Hong Kong estão entre os países onde alguma informação falsa enganou a maioria dos internautas.

Comparativamente, uma minoria de franceses (38%) e americanos (36%) disseram que dão credibilidade “às vezes” ou “frequentemente” a conteúdos falsos. No Paquistão, o país mais cético segundo esta pesquisa, essa cifra diminui para 26%.

Grande maioria dos consultados acredita que é preciso promover a educação dos usuários com relação às notícias falsas ou à moderação de conteúdos por parte das plataformas de redes sociais para combater a propagação de informação enganosa.

A censura governamental para regular o conteúdo on-line é a solução menos popular, embora 61% dos consultados sejam “fortemente” ou “parcialmente” favorável a ela.

A pesquisa se baseia em testemunhos de 25.229 usuários de Internet, consultados entre 21 de dezembro de 2018 e 10 de fevereiro de 2019 em 25 países, e tem margem de erro de 3,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Foi feita uma pesquisa on-line em 21 desses países e foram feitas entrevistas pessoais em Quênia, Nigéria, Paquistão e Tunísia (com o que a margem de erro diminuiu para 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos).

O Facebook assinou contratos de verificação de notícias com veículos do mundo todo – entre eles a Agence France-Presse (AFP) -, encarregados de verificar a veracidade de conteúdos compartilhados maciçamente nas redes sociais e suspeitos de serem falsos.