Paulo Guedes pede desculpas por dizer que Brigitte Macron “é feia mesmo”

Na última semana, Bolsonaro deu a entender que a esposa de Emmanuel Macron, presidente da França, era feia

São Paulo — O Ministério da Economia emitiu um comunicado no qual indica que o titular da pasta, Paulo Guedes, pede desculpas por ter declarado num evento no Ceará que a primeira-dama da França, Brigitte Macron, era “feia mesmo”.

Guedes “pede desculpas pela brincadeira feita hoje em evento público em Fortaleza (CE), quando mencionou a primeira-dama francesa Brigitte Macron”, aponta o comunicado.

Numa palestra para empresários em Fortaleza, o ministro estava defendendo as políticas do governo, quando fez o comentário sobre a esposa do presidente francês Emmanuel Macron.

“Eu estou vendo progresso em várias frentes, mas (…) a preocupação é se xingaram a [Michelle] Bachelet, xingaram a mulher do Macron, chamaram a mulher de feia”, disse Guedes.

“O presidente falou mesmo, e é verdade mesmo. A mulher é feia mesmo”, acrescentou o ministro, arrancando gargalhadas da plateia.

Após uma pausa, o ministro, formado na Universidade de Chicago, completou com um sorriso: “Não existe mulher feia. O que existe é mulher vista pelo ângulo ruim”.

“A intenção do ministro foi ilustrar que questões relevantes e urgentes para país não têm o espaço que deveriam no debate público. Não houve qualquer intenção de proferir ofensas pessoais”, acrescenta o comunicado.

A questão refere-se a publicação de um seguidor do presidente com uma montagem de fotos dos casais Macron e Bolsonaro dentro de um post no perfil no Facebook do presidente brasileiro, com a legenda: “Agora entende por que Macron persegue Bolsonaro?”. O chefe de Estado brasileiro respondeu: “Não humilha cara. Kkkkkkk”. A resposta do presidente foi apagada depois para evitar “duplas interpretações”.

Emmanuel Macron chamou esse comentário de “extraordinariamente desrespeitoso”, embora Bolsonaro tenha negado que foi uma ofensa. “Eu não coloquei a foto da esposa dele”, disse.

Internautas brasileiros invadiram as redes sociais repudiando a atitude do presidente com a hashtag #DesculpaBrigitte.