Para PF, propina ocorreu em diversas obras da Odebrecht

A PF diz haver "farta materialidade" sobre corrupção, lavagem de dinheiro e ocultação patrimonial, além de formação de cartel e lavagem de dinheiro

São Paulo – O relatório da Polícia Federal afirma que pesam sobre o presidente da Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, e seus executivos e ex-executivos indícios de crimes em várias frentes: nos contratos das obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), ambas da Petrobras; nos contratos da petroquímica Braskem (controlada pela empreiteira em sociedade com a estatal) nas compras de nafta; nos contratos de navios-sonda com a empresa Sete Brasil (criada pela Petrobras) nas obras da Sede da Petrobras em Vitória (ES); pelo uso de offshores; e por obstaculização

A PF diz haver “farta materialidade” sobre corrupção, lavagem de dinheiro e ocultação patrimonial, além de formação de cartel e lavagem de dinheiro.

Ainda conforme a PF, foram encontrados indícios de que o presidente da Odebrecht lançou mão de uma estratégia de confrontar as investigações Lavas Jato, buscando criar “obstáculos” e “cortinas de fumaça”, que contava com “policiais federais dissidentes”, dupla postura perante a opinião pública, apoio estratégico de entidades de classe, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e ataques às apurações internas da Petrobras. “O material trazido aos autos aponta para o seu conhecimento e participação direta nas condutas atribuídas aos demais investigados, tendo buscado, segundo se depreende, obstaculizar as investigações”, informa texto do indiciamento.

Nas 64 páginas do relatório, a PF traça um a panorama a partir das anotações feitas pelo próprio Marcelo Odebrecht em seu telefone, a partir dos e-mails e materiais apreendidos, bem como material já existente nos autos, para apontar tal postura do indiciado. “Verifica-se ainda as ideias do dirigente acerca da Operação Lava Jato, o que demonstra que o mesmo não apenas tinha pleno conhecimento das irregularidades que envolviam o Grupo Odebrecht como pretendia adotar uma postura de confronto”, diz o texto.

A defesa da Odebrecht nega as acusações feita pela Polícia Federal, assim como a OAB (mais informações nesta página). Segundo a PF, “quanto a Marcelo Bahia Odebrecht, além do caso especifico das sondas, o material trazido aos autos aponta para o seu conhecimento e participação direta nas condutas atribuídas aos demais investigados, tendo buscado, segundo se depreende, obstaculizar as investigações”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.