Para ministro, Cunha e Calheiros deveriam deixar presidência

Para o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, povo faria uma leitura ruim da permanência dos dois investigados como presidentes da Câmara e do Senado

São Paulo – Para o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, a permanência de Eduardo Cunha e Renan Calheiros nos cargos de presidência da Câmara dos Deputados e Senado, respectivamente, não é ilegal, mas também não é “desejável”. 

Segundo a coluna de Lauro Jardim, o ministro teria dito que o desejável é que os líderes do Congresso fossem “pessoas sobre as quais não houvesse a menor sombra de dúvidas”.

“Eles são apenas investigados, não são nem réus, logo não há uma implicância legal”, disse, segundo a coluna. O ministro teria afirmado, no entanto, que a permanência de ambos nas presidências da Câmara e do Senado fragiliza as instituições, porque o povo faz uma leitura ruim disso. 

Eduardo Cunha e Renan Calheiros, ambos do PMDB, foram incluídos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na lista de políticos que serão investigados por suposto envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Os dois negam que tenham qualquer relação com os crimes. 

Cunha chegou a dizer que Janot o colocou na lista por motivos políticos e se dispôs a prestar esclarecimentos à CPI da Petrobras que ocorre na Câmara. Seu depoimento será ouvido nesta quinta-feira.