Para governo, PNAD mostra avanço na qualidade de vida

Após a divulgação da pesquisa, o dado que mais repercutiu foi a estagnação do índice de Gini, que mede a desigualdade

Brasília – Para o governo da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada nesta quinta-feira, 18, mostra que houve “avanço na qualidade de vida dos brasileiros”.

A avaliação está em texto distribuído à imprensa na tarde desta quinta antes de uma entrevista coletiva sobre a PNAD que será concedida pelos ministros Henrique Paim, da Educação, Tereza Campello, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, e Marcelo Neri, da Secretaria de Assuntos Estratégicos. A entrevista ainda não começou.

Após a divulgação da pesquisa, o dado que mais repercutiu foi a estagnação do índice de Gini, que mede a desigualdade.

Segundo o IBGE, a distribuição de renda voltou ao patamar de 2011, interrompendo uma série de queda da desigualdade que havia sido iniciada em 2002.

“O salário real aumentou 5,7%, a formalização do trabalho bateu recorde e o trabalho infantil registrou a menor taxa da história”, afirma o texto distribuído por assessores das pastas.

Outro item destacado na análise da PNAD feita pelo governo é que “a presença de itens como fogões, geladeiras e TVs nas casas dos brasileiros está praticamente universalizada”.