Para defesa de Esteves, denúncia não traz “fato novo”

A denúncia, confusa, não trouxe nenhum fato além das suposições que fundamentaram a prisão cautelar

São Paulo – A defesa do banqueiro André Esteves, ao pedir ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, a revogação da prisão preventiva do banqueiro, reagiu enfaticamente à denúncia da Procuradoria, apresentada no dia 7 de dezembro.

“A denúncia, confusa, não trouxe nenhum fato além das suposições que fundamentaram a prisão cautelar. Os elementos colhidos pela acusação após a prisão não fortalecem nem confirmam a versão do Ministério Público de que André Esteves teria auxiliado ou se proposto a auxiliar financeiramente a família de Nestor Cerveró, como falaciosamente prometido ao seu filho pelo senador Delcídio Amaral e suspeitoso advogado.”

Os advogados Sepúlveda Pertence, Antonio Carlos de Almeida Castro e Sônia Rao rechaçaram ponto a ponto a denúncia. Eles afastam ainda envolvimento do banqueiro no pagamento de R$ 6 milhões ao senador Fernando Collor.

Leilão

Sobre o suposto pagamento de propinas na aquisição de 50% dos ativos da Petrobras OIL and Gas B.V. na África, o BTG Pactual esclarece que a operação foi realizada em um leilão “para o qual foram convidados a participar diversos players do mercado – 14 no total”.

Segundo a instituição, a proposta de US$ 1,5 bilhão por 50% foi a mais alta e considerada justa pelo assessor financeiro contratado pela Petrobras, Standard Chartered Bank.

Delcídio negou, em depoimento à Polícia Federal, que tenha tramado contra a Lava Jato ou recebido propinas.

O advogado Alberto Zacharias Toron afirmou que o empresário Carlos Santiago “está em gravíssimo estado de saúde há quase seis meses”. “Sem poder conversar com ele (Santiago), prefiro não falar nada agora.”