Pane causa apagão e afeta 700 mil em SP

Foram afetados os moradores de bairros das zona sul e oeste, incluindo Jardins, Morumbi, Brooklin, Butantã, Sumaré, Pinheiros, Vila Pompeia, Jaguaré, Lapa e Vila Madalena

São Paulo – Um blecaute no começo da noite de ontem deixou 700 mil paulistanos no escuro. Moradores de bairros das zona sul e oeste, incluindo Jardins, Morumbi, Brooklin, Butantã, Sumaré, Pinheiros, Vila Pompeia, Jaguaré, Lapa e Vila Madalena, começaram a sentir os efeitos do apagão por volta das 19 horas. Osasco, na Região Metropolitana, também ficou sem luz.

A Eletropaulo informou que o problema foi causado por uma pane na Subestação Milton Fornasaro da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep), no Jaguaré, zona oeste. Em nota, a Cteep admitiu que, às 19h06, “houve uma ocorrência” em uma das barras de energia que desligou três transformadores, interrompendo parcialmente o fornecimento de energia à Eletropaulo. “Um dos transformadores foi restabelecido às 19h32, normalizando o abastecimento para a distribuidora. Às 20h15 foi recomposto o segundo transformador, normalizando a condição operacional da subestação. A companhia está tomando as providências necessárias para recomposição do terceiro transformador e consequente normalização total da subestação”, afirmava a nota. As causas do desligamento estão sendo analisadas pela Cteep.

Mesmo com a normalização parcial, alguns bairros permaneciam às escuras por volta das 21h. Segundo a companhia, essas regiões não tiveram o fornecimento de luz restabelecido porque a distribuidora das subestações menores opera em cadeia e leva tempo para que a energia volte a todos os domicílios.

É o segundo apagão em São Paulo em pouco mais de um mês – o anterior, em 7 de junho, chegou a durar mais de três dias em bairros da Região Metropolitana. Em fevereiro, uma pane na Subestação Bandeirantes da Cteep deixou 627 mil imóveis sem luz na cidade e afetou mais de 2,5 milhões de pessoas. Até o fim do verão passado, diversos “miniapagões” também foram registrados na cidade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.