País estreia série que simula previsão do clima em 2050

A esperança da Organização das Nações Unidas (ONU) é de que vídeos ajudem a sensibilizar as populações sobre as mudanças climáticas

Genebra – O inverno se aproxima. Mas, em todo o país, as temperaturas superam a marca de 30ºC, e a seca e tempestades afetam diferentes partes do território brasileiro. Estamos no ano de 2050.

A Organização Meteorológica Mundial lança nesta quarta-feira, 3, uma série de vídeos simulando o que seria um programa sobre a previsão do tempo na metade do século 21.

A esperança da Organização das Nações Unidas (ONU) é de que o vídeo ajude a sensibilizar as populações sobre as mudanças climáticas.

A iniciativa ainda faz parte de uma campanha do secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, para convencer governos e sociedade civil a chegar a um acordo ambicioso na Cúpula do Clima, no dia 23 de setembro.

A data do programa não foi escolhida por acaso. 2050 seria a metade do período em que a perspectiva científica aponta para uma elevação das temperaturas de 4ºC até 2100 se as emissões de gás de efeito estufa não forem revertidas.

Na série, o Brasil é o primeiro a ser apresentado, com tempestades de chuvas no Sul e no oeste da Amazônia.

Em apenas alguns dias, o volume de chuvas superaria o que se esperava para todo o mês, aumentando o risco de deslizamentos.

Já no leste da Amazônia e no Nordeste, a seca continua.

No programa, Claudia Celli, apresentadora da previsão do tempo em 2050, alerta que “algumas regiões já registram seca por vários meses”.

“Hoje é mais um dia quente no Brasil. Temperaturas estão acima dos 30°C em boa parte do país, apesar de estarmos perto do inverno.”

O vídeo ainda traz uma entrevista com o cientista José Marengo sobre o impacto das mudanças climáticas no Brasil.

“Em regiões tropicais, o aumento da temperatura pode superar 4°C até o final do século”, disse.

Segundo ele, os padrões de chuva devem mudar, com maior volume no oeste da Amazônia e no Sul, enquanto a seca intensificaria no Nordeste e no leste da Amazônia.

A campanha ainda traz uma mensagem de Ban Ki Moon com o alerta de que as mudanças climáticas trarão “maior desastres, maior incertezas”. “Podemos reduzir os riscos cortando as emissões”, apelou.

A iniciativa do vídeo ainda vai incluir Japão, Dinamarca, países africanos, Estados Unidos, Alemanha e outros.

//www.youtube.com/embed/0QoZ8hh8-Qg?list=UUBLdmg9Tn_-elWqAP3MAdog