8 dicas para aliviar o sufoco nos aeroportos brasileiros

De infraestrutura à gestão dos aeroportos, especialistas apontam algumas prioridades para que o Brasil receba bem os estrangeiros e trate bem seus próprios passageiros

São Paulo – Especialistas, autoridades e até Pelé, o garoto-propaganda da Copa de 2014, já se pronunciaram, desconfiados, sobre a questão dos aeroportos no Brasil. O tom do discurso é sempre o mesmo: não vai dar tempo de suprir as carências da precária infraestrutura até a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas, dois anos depois.

O governo corre contra o tempo. Nesta semana, prometeu dar um diagnóstico sobre os projetos de concessão de aeroportos à iniciativa privada em até 60 dias. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social vai avaliar a viabilidade econômica de três projetos, que preveem ampliar a capacidade dos aeroportos de Guarulhos (São Paulo), Viracopos (Campinas) e Brasília.

Entretanto, as maiores críticas de quem entende do assunto dizem respeito justamente à pressa. Não significa que o processo deva ser lento. O horizonte para o qual se olha é que não pode ser muito curto. Pequenos “remendos” na estrutura aeroportuária brasileira podem até resolver os problemas em 2014, mas vão gerar consequências mais graves nos anos seguintes.

EXAME.com conversou com especialistas em transporte aéreo como Respício do Espírito Santo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Jorge Eduardo Leal, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo; Anderson Correia, superintendente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), dentre outros, e reuniu dicas para aliviar o sufoco nos aeroportos do país. Eles abordaram temas como gestão dos aeroportos, infraestrutura e desburocratização da recepção dos visitantes.

Não pensar na Copa e nas Olimpíadas

Para o professor Respício do Espírito Santo, da UFRJ, a Copa do Mundo e as Olimpíadas não podem ser a motivação das obras em aeroportos. Se isto acontecer, serão feitos “remendos” que solucionam o problema temporariamente, mas criam outros ainda maiores no futuro. “Se formos construir agora para chegar a uma situação ultra confortável daqui a 10 anos, então, na época da Copa, a situação vai ser melhor do que se tentarmos apressar as coisas agora. Se fizermos obras pensando na Copa, em 10 anos estaremos perdidos.”


Definir um plano de ação específico

Para o doutor em engenharia de transportes e superintendente da Anac, Anderson Correia, o governo precisa deixar de lado o “precisamos fazer isto, e aquilo…” e definir logo as prioridades. “Quais são as necessidades? Não tem nada fechado ainda. Não se sabe se vai haver terceiro aeroporto em São Paulo, se vão construir uma terceira pista no aeroporto de Guarulhos, ou se vão ampliar a capacidade de Viracopos. O tempo para fazer tudo isto é longo, e o governo ainda não bateu o martelo.”

Trazer a iniciativa privada para perto

Desenvolver o setor aeroportuário brasileiro passa necessariamente por uma parceria com a iniciativa privada, como a própria Anac reconheceu. Um estudo da consultoria McKinsey mostra que seria interessante para o setor aéreo brasileiro ter parcerias entre governo e empresas para a reforma de aeroportos, a construção de novos, e a administração.

O problema é que o setor privado fareja roubadas à distância. Para que a parceria entre as empresas e o governo funcione, é preciso ter transparência e informações objetivas. “A iniciativa privada não entra em uma obra com custo estimado em um bilhão de reais, como é a do aeroporto de Guarulhos, sem conhecer todas as regras do jogo. Um bom exemplo é quanto ao futuro de São Paulo. As empresas vão querer saber se haverá um bom sistema de transportes ligando o aeroporto ao centro da capital, se haverá um novo aeroporto em São Paulo para concorrer com o de Guarulhos. Tudo isso é importante para que elas avaliem o retorno que terão do investimento”, diz Anderson Correia, da Anac.

Segundo o diretor de infraestrutura da Anac, Rubens Carlos Vieira, a criação do novo órgão de cúpula da aviação brasileira, a Secretaria de Aviação Civil (Seac), vai ajudar neste esforço. A nova líder do setor vai se encarregar de direcionar os rumos para que o modelo de autorizações e concessões a empresas privadas ganhe mais espaço. O mais provável é que as futuras gestões sejam mistas, sendo improvável um aeroporto totalmente privado.

Conversar sobre tudo, e com todos

Um problema crônico do setor aéreo brasileiro, na visão do professor Respício, é o diálogo ruim entre todos os atores que compõem o cenário, tanto os públicos quanto os privados – a Anac, a Infraero, empresa que administra a maioria dos aeroportos brasileiros, as próprias companhias aéreas, dentre outros. Conversa-se pouco. A disposição para falar é grande, mas para ouvir, nem tanto. “Aqui no Brasil não se consegue trabalhar pelo negócio do outro. Todo mundo quer fazer o seu trabalho sem saber o que se passa ao seu redor. A Infraero hoje é incapaz de ajudar as empresas aéreas, e vice-versa.”


Construir terminais móveis de passageiros

Os terminais móveis de passageiros seriam uma boa solução de emergência para os aeroportos brasileiros. E segundo o professor Jorge Leal, da USP, a urgência não tem ligação com a Copa do Mundo e as Olimpíadas. “Falo do que está acontecendo agora. Nos próximos anos o tráfego de passageiros vai aumentar muito, e toda solução que puder aumentar a capacidade é bem vinda.” Leal afirma que a experiência com terminais provisórios foi bem sucedida em cidades como Atenas, Frankfurt e Lisboa. Nesta última, a construção foi feita para aliviar a demanda de passageiros que aumentou por causa da Eurocopa, disputada em Portugal em 2004. “Este terminal funcionou tão bem que de provisório não teve nada. Está lá até hoje.”

O professor ressalta ainda que, se a opção for o terminal móvel, outras obras auxiliares devem ser consideradas. “Os terminais são boas escolhas, mas nunca sozinhos. É preciso investir em estacionamentos e novos pátios para as aeronaves. São ampliações fundamentais em aeroportos que já estão em situação complicada, como Guarulhos e Vitória.”

Considerar a expansão do aeroporto em São José dos Campos (SP)

Segundo Anderson Correia, da Anac, o aeroporto de São José dos Campos, no interior de São Paulo, seria uma opção rápida para aliviar a pressão do excesso de passageiros. O aeroporto tem uma pista ociosa e com capacidade para a movimentação de grandes aeronaves. Seria preciso ampliar o pátio em que as aeronaves ficam estacionadas e o terminal de passageiros, obras que podem ser feitas em menos de três anos.

A distância entre o município e a capital paulista é de aproximadamente 100 quilômetros, o que poderia afastar os passageiros. Entretanto, para o superintendente da Anac, o risco de ociosidade depois que as obras de ampliação terminarem é baixo. “Fizemos um estudo mostrando que, se o terceiro terminal de Guarulhos não for feito, a demanda no aeroporto de São José vai passar para cinco milhões de passageiros por ano. Além disso, a ligação entre São José dos Campos e São Paulo por rodovias é boa. A cidade tem infraestrutura logística. Muitos turistas vêm para cá querendo conhecer Campos do Jordão e cidades do litoral, o acesso a estes lugares partindo de São José é fácil.”

Investir em identificação inteligente para acabar com as filas

Aumentar a eficiência na recepção de passageiros não depende apenas de terminais maiores. É preciso investir em tecnologia para diminuir as filas e os inconvenientes, sobretudo em momentos de grande movimento, como os eventos esportivos dos próximos anos. Segundo o sócio-líder da área de imigração da consultoria Ernst&Young, James Egan, o governo brasileiro deveria considerar o uso de identificação biométrica de passageiros, como a leitura de impressão digital e de retina, além de passaportes inteligentes, dentre outras opções.

Criar postos avançados em aeroportos estrangeiros

Outra dica do especialista James Egan, da Ernst&Young é criar postos avançados de registro de visitantes estrangeiros em aeroportos fora do Brasil. Os escolhidos seriam, naturalmente, aqueles de onde mais partem voos para o país, como os aeroportos de Miami, Lisboa e Buenos Aires. Estes locais funcionariam como “observatórios das leis brasileiras”. Neles, visitantes estrangeiros apresentariam seus vistos e todas as burocracias seriam cumpridas antes que ele embarcasse para o Brasil. Para isto, entretanto, o Brasil primeiro precisa modernizar suas embaixadas e consulados no exterior. Atualmente, segundo ele, um executivo perde 12 dias esperando por um visto de entrada no Brasil, o que significa um grande transtorno para quem tem que viajar frequentemente.