Odebrecht: 13 mi para Lula; IPO da JBS…

Odebrecht, Dilma e Lula

O ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, depôs durante quase 3 horas ao juiz federal Sergio Moro em Curitiba. O empresário reafirmou que Lula era o “amigo” em suas anotações. Disse ainda ter pago 50 milhões de reais à campanha de Dilma Rousseff por meio de Guido Mantega e outros 13 milhões de reais, em parcelas, para o ex-presidente Lula. A audiência trata do processo que tem como réus o ex-ministro Antonio Palocci, os marqueteiros João Santana e Monica Moura e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari.

Prejuízo bilionário

A Polícia Federal apontou, em laudos anexados aos autos da Operação Lava-Jato, que 11 contratos da Construtora Odebrecht causaram um prejuízo de quase 5,7 bilhões de reais à Petrobras. O levantamento feito pela PF abrangeu o período de 2003 a 2014 em busca sinais de cartelização no trabalho das construtoras no momento de conseguir licitações com a companhia. “É possível concluir que as licitações que deram origem aos contratos (…) foram fraudadas mediante a atuação direta do cartel composto pela organização denominada ‘Clube dos 16’ ”, diz o laudo.

“Ótimo candidato”

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que o prefeito da capital do estado, João Doria (PSDB), seria um “ótimo candidato ao governo do estado”. A declaração foi feita numa reunião entre os dois e seus respectivos secretários. No fim de semana, Doria admitiu que seria candidato ao governo “se Alckmin pedisse”, depois de negar reiteradamente ter esse objetivo. Porém, numa pesquisa do Datafolha divulgada no fim de semana, 55% dos paulistanos disseram que reprovariam uma eventual candidatura do prefeito ao governo. Durante a tarde, longe de São Paulo, Doria foi bastante aplaudido ao participar de um evento em Porto Alegre.

IPO da JBS?

O frigorífico JBS informou que vai apresentar os fluxos de caixa de 2015 e de 2016 para continuidade do processo de abertura do capital da subsidiária JBS Foods International nos Estados Unidos. A notícia foi suficiente para impulsionar as ações da companhia, maior alta do dia no Ibovespa, 1,72%. As ações subiram apesar da continuidade da prisão do médico veterinário Flavio Evers Cassou, decretada no sábado. O funcionário, que segundo a PF é executivo da JBS, é investigado por “entregar dinheiro” a fiscais do ministério da Agricultura. A JBS esclareceu no domingo que Cassou não é executivo da companhia, mas um funcionário cedido ao ministério e que atualmente está com seu contrato de trabalho suspenso.

Itaú liberado, por ora

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) decidiu por cinco votos a três que o banco Itaú não tem de pagar 25 bilhões de reais em tributos à Receita Federal por problemas relativos à fusão do Itaú com o Unibanco. A maior parte dos conselheiros do Carf entendeu que a estrutura societária utilizada em 2008, na época da fusão, era legal. A Procuradoria-Geral da Fazenda informou que vai recorrer à Câmara Superior, instância final do Carf, para tentar reverter a decisão. A cobrança de tributos sobre a fusão do Itaú com o Unibanco é o processo de maior valor que tramita no Carf. As ações do Itaú fecharam praticamente estáveis, com recuo de 0,03%.

Tiroteio em escola

Um homem abriu fogo em uma sala da escola primária de San Bernardino, no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos. Uma professora da escola morreu e dois alunos estão hospitalizados. O atirador se matou em seguida. Sua identidade ainda não foi revelada, mas a polícia acredita que ele conhecia a professora que morreu. A 96 quilômetros de Los Angeles, San Bernardino já havia sido palco de outra tragédia do tipo em 2015, quando três atiradores invadiram um centro para pessoas com deficiência e deixaram 14 mortos e 17 feridos.

Maduro pró-eleições?

O presidente venezuelano Nicolás Maduro pediu às autoridades eleitorais que organizem eleições regionais para governador. O chamado deveria ter acontecido no ano passado. Referindo-se à oposição, Maduro disse estar “ansioso” para as eleições, “para dar uma pausa a essa gente”. O presidente da Assembleia Nacional, Julio Borges, disse que, para acreditar na credibilidade do pleito, não pode haver nem candidatos impedidos de concorrer nem presos políticos. As eleições — regionais e para presidente — são exigências da oposição, que liderou novos protestos em diversas cidades da Venezuela nesta segunda-feira, que terminaram com 57 feridos após confrontos com policiais.

Egito: polícia contra-ataca

Forças de segurança do Egito mataram sete islâmicos nesta segunda-feira após ataques contra duas igrejas coptas — igreja cristã egípcia — que deixaram pelo menos 44 mortos no domingo. Segundo o Ministério do Interior do Egito, os mortos pela polícia foram encontrados planejando um novo atentado. O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, anunciou que o país ficará em estado de emergência por três meses. O Vaticano afirmou que o papa Francisco visitará os cristãos egípcios no Cairo nos dias 28 e 29 de abril, apesar das preocupações de segurança.