O encontro entre Silvio Santos, Zé Celso e João Doria

Prefeito reuniu o dramaturgo e o apresentador para tentar resolver imbróglio sobre terreno do teatro Oficina

São Paulo – O prefeito de São Paulo, João Doria, reuniu o dramaturgo Zé Celso e o apresentador Silvio Santos para tentar chegar a um acordo sobre o terreno do teatro Oficina, no bairro do Bixiga.

Mas Silvio Santos não abandonou o tom de brincadeira, o que deu um ar de comédia ao encontro. O vereador Eduardo Suplicy também estava presente.

Silvio Santos conseguiu autorização no Condephaat, conselho estadual de patrimônio, para construir um conjunto de torres residenciais no terreno vizinho ao teatro Oficina, de Zé Celso.

A coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, teve acesso ao vídeo da reunião e o divulgou ontem. Assista:

“Vou transferir a cracolândia pra lá”

Silvio Santos comprou o terreno ao lado do teatro Oficina, mas foi impedido de construir lá porque o edifício do teatro, reformado por Lina Bo Bardi, é tombado.

A construção das torres residenciais esconderia a vista que os espectadores têm de parte da cidade durante as peças do teatro.

Silvio Santos diz, em tom de piada: “Meu secretário deu uma boa ideia: a gente coloca lá a ‘drogalândia’, como é que é, a cracolândia, e o drogado que mais se destacar no dia ganha um prêmio”.

A sugestão de Doria é deixar parte do terreno ao Oficina e outra parte a um empreendimento de Silvio Santos com viés cultural, como os que existem “na América”.

Ele diz que um projeto de Silvio Santos poderia viabilizar um “funding” (financiamento) e uma área de “retail” (varejo) em um pequeno “mall”.

Zé Celso pergunta: “O que é um ‘mall’?”, e Doria explica: “É um shopping menor”. A presença do teatro Oficina no “backyard” (quintal) do empreendimento criaria um “asset” (ativo) para os investidores, diz Doria.

Artistas protestam contra projeto de Silvio Santos

Neste domingo, a página do Teatro Oficina Uzyna Uzona no Facebook divulgou um abaixo-assinado para pedir veto ao projeto de Silvio Santos.

O apelo é dirigido ao governador Geraldo Alckmin, ao secretário José Luiz Penna e conselheiros do Iphan e Conpresp. Eles pedem que o terreno de Silvio Santos tenha destinação pública.

O abaixo-assinado já tinha mais de 2.300 assinaturas no momento da publicação do texto.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gigi_2008 Sanches

    Que matéria desconexa e tendenciosa.
    São dois terrenos privados, onde cada um puxa a sardinha para o seu braseiro.
    A classe “artística” deste país sempre alienada e acéfala, querendo transformar um terreno que com certeza deve ser muito valorizado em uma área cultural.
    Este pseudo-intelectual, travestido de diretor de teatro já deu o que tinha que dar e devia se guardar dentro de sua insignificância.

  2. ViP Berbigao

    kkk… Sentiu o nível do papo do Prefa?! O único q não tem cifroe$$$ nos olhos é o Zé… kkk… Estamos bem de ‘homens público$$$’.

  3. Tá querem um centro cultural, mas a prefeitura que tem que arcar as despesas? Turistas nem visitam esses locais,é mais pra quem é artista desconhecido. Se comparado ao Uber é outro serviço não essencial à sociedade. Porque deviam pensar em algo que beneficie todos como um parque ou cuidados estéticos.Se a população não fosse tão desleixada com aparência.Aí se vai o visual, a língua portuguesa e vira o que está hoje. Não se tem posturas e vivem achando graça de tudo. Que tal levar a às coisas mais a sério. Brasileiro esperando que o governo vai resolver, você deve resolver-se.