Nova espécie de anta é descoberta em região amazônica

O "Tapirus Kabomani" mede 1,20 metro de comprimento e 90 centímetros de altura

Washington – Um grupo de cientistas anunciou a descoberta de um novo tipo de anta, o “Tapirus Kabomani”, menor que os conhecidos até agora, e cujo habitat se encontra na selvas amazônicas de Brasil e Colômbia, segundo um estudo divulgado pela edição de dezembro do “Journal of Mammology”.

Esta nova espécie de anta pesa cerca de 110 quilogramas, bastante menos que a mais comum sul-americana, que costumar ter cerca de 320 quilos, e suas extremidades também são mais pequenas.

O “Tapirus Kabomani” mede 1,20 metro de comprimento e 90 centímetros de altura.

Para confirmar a existência desta nova espécie, os cientistas contaram com a ajuda de tribos indígenas.

“Os povos indígenas haviam tradicionalmente informado sobre o que chamavam de um tipo diferente de anta. No entanto, a comunidade científica nunca tinha prestado muita atenção a este fato, afirmando sempre que se tratava do mesmo “Tapirus terrestris””, afirmou Mario Cozzuol, autor do estudo e paleontólogo da Universidade Federal de Minas Gerais.

As observações situam seu habitat na parte alta do rio Madeira, na bacia sudoeste do Amazonas.

Trata-se da quinta espécie de anta descoberta no mundo desde 1865, e é o primeiro mamífero da ordem Perissodactyla (que inclui antes, rinocerontes e cavalos) em mais de 100 anos.

Os cientistas consideram que este mamífero terrestre é o maior descoberto nas últimas décadas, e o comparam ao saola no Vietnã e Camboja, descoberto em 1992.

Um espécime deste tipo de anta permanecia sem identificação no Museu de História Natural de Nova York, desde 1914, mas tinha sido confundido também com o “Tapirus terrestris”.

Além da América do Sul, também podem ser encontradas outras espécies de antas no sudeste da Ásia.