Não há risco de zika em Rio 2016, diz diretor da Fiocruz

Diretor da fundação disse que não há “risco de transmissão da doença para atletas” e nem para turistas que comparecerão à Rio 2016

Estados Unidos – O Brasil está adotando as medidas adequadas para prevenir o avanço do vírus zika durante os Jogos Olímpicos, que serão disputados de 5 a 12 de agosto, no Rio de Janeiro, disse hoje (2), em Washington, o diretor de Relações Internacionais da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Paulo Buss, no encerramento de encontro internacional sobre o assunto promovido pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Ao falar sobre o avanço da zika no Brasil, em entrevista a jornalistas de vários países, Buss disse que não há “risco de transmissão da doença para atletas” e nem para turistas que comparecerão à Rio 2016.

Buss acrescentou que, além dos esforços das autoridades brasileiras, o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor o vírus da Zika, da dengue e da chikungynya, contará com a ajuda do clima, já que o mês de agosto (época das Olimpíadas) é período de temperaturas mais baixas no Brasil, desfavorável à propagação do mosquito.

“Todo esse esforço que visa à redução da população de mosquitos está sendo feito por autoridades sanitárias brasileiras em nível federal, estadual e conta também com a ajuda de Forças Militares”, disse Buss.

Os especialistas debateram, durante o encontro, como melhorar o conhecimento científico sobre o vírus e como os países devem se preparar para uma possível propagação da doença para países ainda não afetados pelo problema.

Além da Fiocruz e do Instituto Evandro Chagas, ambos representando o Brasil, participaram da reunião cientistas dos centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), dos Estados Unidos, e da London School of Hygiene & Tropical Medicine, do Reino Unido.

Também participaram técnicos do Instituto Pasteur de Paris, Dakar e Caiena, e do Instituto Kouri Pedro, de Cuba.

Também compareceram à reunião pesquisadores e especialistas do Instituto Nacional da Colômbia, da Agência de Saúde Pública do Canadá e do Instituto Nacional de Saúde Pública e do Instituto de Diagnóstico e Referência epidemiológicos (Indre) do México.

Estavam também no encontro funcionários do Instituto Nacional de Gorgas, de instituições de saúde da França e da Polinésia Francesa.