Não há razão para ter escola hoje invadida, diz Alckmin

Alckmin defendeu a ação da PM na dispersão dos alunos em protestos na semana passada e não informou se possíveis excessos dos policiais serão investigados

São Paulo – Após revogar o decreto que previa a reorganização da rede estadual de ensino no sábado, 5, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) defendeu nesta segunda-feira, 7, que os alunos desocupem as mais de 190 escolas tomadas em protesto contra a medida.

“Não há razão nenhuma para ter escola hoje invadida. Se a causa era essa (reorganização), agora é retomarmos as aulas para poder o mais rápido possível concluir o ano letivo. Esse é o objetivo”, disse ele após coletiva de imprensa que anunciou medidas de combate à dengue, zika e chikungunya.

Alckmin voltou a defender a reorganização do ensino em escolas de ciclo único.

“Procuramos explicar, explicar, explicar, explicar. Acho que tanto foi razoavelmente entendido que, nas matrículas feitas para o novo modelo, os alunos podiam pedir transferência e 96% não pediu. Mostra que já estava meio bem encaminhado. Como surgiu a questão de que é melhor discutir mais, dialogar mais, não tem problema, nós vamos adiar, vamos fazer esse diálogo, especialmente com alunos e pais dos alunos”, disse.

Questionado sobre a possibilidade de fechamento de escolas em 2017, o governador afirmou apenas que o projeto de reorganização será retomado após debate, sem detalhar quais medidas do plano atual serão mantidas.

“Vamos fazê-lo (plano de reestruturação), mas vamos discutir melhor, vamos dialogar”, disse ele.

Alckmin defendeu a ação da Polícia Militar na dispersão dos alunos em protestos na semana passada e não informou se possíveis excessos dos policiais serão investigados.

“Fomos absolutamente cautelosos. A maioria das escolas invadidas, nenhuma foi reintegrada com a polícia. Aí invadiram diretoria de ensino, também não reintegramos nenhuma, não usamos polícia. Daí ocupa a Avenida Doutor Arnaldo, que tem mil pessoas por dia que precisam tratar câncer no Icesp, tem o Hospital das Clínicas, tem o Hospital Emílio Ribas, daí você pede: ‘pessoal, vamos dar mais meia hora para que vocês se manifestem’. Dá o tempo, também não saem, você pede de novo… Ora, não é possível também prejudicar o conjunto da população”, disse ele.