MPF cobra explicações de ministro da Defesa sobre fala de general

Afirmação de Villas Bôas tem sido interpretada como uma forma de pressão sobre o STF no caso da revisão da possibilidade de prisão após a 2ª instância

Brasília – A Procuradoria da República no Distrito Federal cobrou explicações nesta quarta-feira, 4, do ministro interino da Defesa, Joaquim Silva e Luna, sobre as declarações do comandante do Exército, o general Eduardo Villas Bôas.

Ontem, véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Supremo Tribunal Federal (STF), Villas Bôas afirmou em uma rede social que o Exército está “atento às missões institucionais”.

A afirmação do comandante tem sido interpretada como uma forma de pressão sobre o STF no caso da revisão da possibilidade de prisão após a 2ª instância.

“Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”, disse Villas Bôas.

Como ministro tem foro privilegiado, o procurador Ivan Marx, que assina o pedido de explicações, pediu à Procuradoria-geral da República que encaminhe a solicitação para Silva e Luna.

“Oficie-se ao ministro da Defesa (via PGR), com cópia integral do presente procedimento, para ciência e manifestação sobre eventual risco de função interventora das Forças Armadas”, diz a manifestação de Marx.

A solicitação de informação do procurador foi no âmbito do Procedimento Investigatório Criminal (PIC) em que se apura as declarações de outro militar, o general Antônio Hamilton Mourão.

O general, que foi para a reserva em fevereiro, afirmou em palestra realizada em setembro do ano passado que as Forças Armadas poderiam optar por uma “intervenção militar” caso o Judiciário não solucionasse o problema político do País.

No procedimento, o procurador afirma que, em tese, Mourão fez “propaganda de processo ilegal para alteração da ordem política ou social e incitou à subversão da ordem política e social, conforme vídeo divulgado e notícias vinculadas em diversos canais de comunicação”.

A apuração foi prorrogada pelo procurador Marx, em janeiro deste ano, após o Exército encaminhar uma resposta que não satisfez o MPF.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Roberto Maio

    MPF depois vai ter que prestar conta ao Exército das explicações solicitadas ao Ministro Interino da Defesa, caso ocorra alguma das mudanças desejadas pela sociedade no destino da Nação!

  2. Luis Carlos De Oliveira Monteiro Hereda

    Não vi nada demais nas declarações do comandante do Exército brasileiro, o General Villas Boas. Ele só reafirmou o papel constitucional da força dentro do regime democrático brasileiro. Um aviso para aqueles que defendem uma intervenção militar e aqueles que defendem um ataque a democracia e a soberania do Brasil caso se confirme a prisão do ex-presidente da república Luis Inácio Lula da Silva após o julgamento no STF do seu HC. Ainda, o comandante solicita a todas as pessoas que exercem cargos públicos e/ou políticos que prezem pela ética e a moral na suas funções e se atentem para o chamado dos interesses e anseios da população brasileira.

  3. judson benedito brisolla franchi

    Pressão sobre o STF?
    A afirmação reproduzida acima retrata inequívoca inverdade, pois a colocação do comandante do Exército retrata o posicionamento adequado de uma autoridade funcional em relação tanto da manutenção do pleno estado de Direito quanto preservação das ideações democráticas brasileiras.

    Agora, pressão quem exerce são alguns dos ministros do STF, ou melhor useiro e vezeiros sinistros somente interessados em prejudicar o país.

  4. ViP Berbigao

    Esses jurídicos são uma piada… ou estão de férias ou recessos ou então perturbando pessoas de bem… enquanto os meliantes deitam e rolam!!!