Moro funciona como instrumento de perseguição ao PT, diz Dirceu

Diante da chance de ser preso mais uma vez, o petista pediu que os membros do partido não se preocupem com ele, mas sim com a liberdade de Lula

Brasília – Em liberdade, enquanto aguarda o julgamento de seu último recurso no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), marcado para a quinta-feira, 19, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu disse nesta segunda-feira, 16, que o juiz federal Sérgio Moro é um “cisco” e funciona como um “instrumento” de perseguição política contra o PT.

Diante da chance de ser preso mais uma vez, o petista pediu que os membros do partido não se preocupem com ele, mas sim com a liberdade do ex-presidente Lula.

“Meus companheiros de cela muitas vezes, pela inocência, se desesperaram, e eu falei: ‘está vendo esse cisco?’ É o Moro’. Ele não é nada, é um instrumento. O aparato policial-judicial é um aparato de perseguição política. Não é só de criminalizar o PT, há setores que estão percebendo isso.

Quando chegaram nos bancos, no PSDB e no Judiciário, a Lava Jato acabou. O que aconteceu com o trensalão? Com as últimas decisões do STF, abriram a porteira”, questionou Dirceu, ao mencionar o cartel do Metrô em São Paulo.

“Todo lugar é uma trincheira. Onde eu estiver, vou estar numa trincheira, mas sou como um de vocês: eu estou preocupado com Lula, não comigo. Vocês podem ver que eu me cuidei. Eu sou um soldado, temos que libertar o Lula. Temos que enfrentá-los e não baixar a cabeça. Eles têm de ter certeza que vamos ressurgir das cinzas. Temos que ser implacáveis com eles. Eles não deixaram a gente governar, por que vamos deixar eles governar?”, afirmou.

O TRF-4 aumentou a pena de Dirceu de 20 anos e 10 meses para 30 anos e 9 meses pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro. O discurso foi feito durante reunião com a militância petista, em Brasília, na sede do Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Distrito Federal.

Em tom de despedida, Dirceu fez questão de lembrar dos ex-tesoureiro João Vaccari e do ex-deputado André Vargas, também presos, e alertou os militantes sobre os principais inimigos do PT.

“Nosso principal inimigo é o sistema financeiro bancário, o rentismo e a Rede Globo. Vocês sabem que eu gosto de uma aliança. Mas vamos precisar rever a forma petista de governar. A questão é como governar sem aderir à receita neoliberal. Os desafios são muitos, mas eu sou otimista. Nós precisamos tirar lições do que aconteceu no País”, afirmou, antes de dizer que o poder político está submetido aos grandes brancos.

“Sabemos porque foi dado o golpe no Brasil. O golpe foi por causa da soberania nacional e do papel que Brasil passou a jogar no mundo. Se trata do pré-sal, que é a ponta do iceberg. É quase natural do Brasil ser elemento integrador da América Latina. O MST tem insistido no papel do capital financeiro no Brasil. Aqui os grandes bancos controlam a política monetária do País. O poder político está submetido a isso.”

Chamado de “comandante” e enaltecido por gritos petistas, Dirceu pediu que o partido deixe de resistir e comece a combater e enfrentar os responsáveis pelo “golpe”.

Como exemplo, ele citou as caravanas realizadas recentemente pelo ex-presidente da Lula antes da prisão. Na visão do ex-ministro, não fosse Lula ter saído da defensiva, o petista não teria despontado nas pesquisas de intenção de voto.

“Estamos cansados de resistir, temos que combater. Ninguém fala contra o juro e o agronegócio. O povo brasileiro não cabe nessa economia que estão desenhando. Toda vez que a classe trabalhadora se autoconstituiu como força política no Brasil, deram golpe de Estado. Lula saiu da defensiva com as caravanas. Ele deu a volta por cima porque acreditou na consciência política do povo. A defesa jurídica é importante, mas é hora da defesa política”, afirmou.

Dirceu também fez um mea-culpa em relação à gestões petista, mas afirmou que o PT precisa se organizar para ganhar a eleição mais uma vez. O ex-ministro repetiu o argumento do partido de que eleições presidenciais sem Lula são um “simulacro”. Além disso, atacou a gestão Temer.

“Praticamente rasgaram os direitos trabalhistas. A precarização vai levar a uma queda da renda e um novo ciclo de lutas vai começar. Em menos de um ano, Temer fez mais do que ditadura levou vinte anos para fazer e FHC nem conseguiu. Temer dá Refis de R$ 150 bilhões e não tem problema nenhum. Falaram das pedaladas (…) agora o TCU está normatizando para legalizar tudo porque Temer não vai cumprir a regra de ouro. Precisamos nos organizar e ir ao encontro do povo. Hoje vivemos um momento que temos que ter sabedoria. Estão transformando eleição num simulacro ao excluir Lula. A eleição é um elemento fundamental. Devemos lutar e nos organizar para ganhar a eleição”, afirmou, antes de dizer que, se disputar o pleito em 2018, Lula ganha “no primeiro turno”. “Ganhamos quatro eleições presidenciais; quem no mundo fez isso?”, complementou.

Na presença de ex-ministros petistas como Gilberto Carvalho e Tereza Campelo, Dirceu também falou sobre a relação dos acontecimentos políticos com os movimentos de junho de 2013.

“Lula tomou iniciativas importantes (no governo). As conferências eram grande instrumento de mudança política-cultural. Não houve magia em junho de 2013. Houve forças políticas que agiram. Houve consciência de classe das classes média e alta que agiram. Para derrotá-los, vamos ter que criar uma frente ampla nacionalista. A questão nacional foi fundamental na Catalunha”, defendeu.

Por fim, o petista disse que o estado de bem-estar social está sendo desmontado no Brasil e enalteceu conquistas como o Sistema Único de Saúde (SUS), o salário-minimo e o desemprego.

“Aprendi com o Brizola a sempre voltar à história. Qual país da América Latina tem um SUS como o Brasil tem? Temos educação pública e gratuita. Temos o salário mínimo. O estado de bem-estar social está sendo desmontado”, disse.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jefferson Meira Ribeiro

    esse verme deveria ser extraditado pra síria…já que gosta de ser soldado…lá tem contra o que lutar, agora no Brasil… os inimigos são “eles”, PT, MDB, e esse monte de legenda que abriga vagabundos disfarçados de governantes. Lugar de ladrão… é na cadeia, e sorte de “voces” que ainda não existe pena de morte no brasil.

  2. Adelson Calheiros de Araujo Junior

    Não sei como ainda dão palanque para um verme parasita como este. Ele cidadão assim como os demais petistas tem de apodrecer na cadeia.

  3. Não não não, MORO persegue corrupto, o fato de toda bancada PT estar neste meio é só questão de coincidencia, afinal, não salva um neste pertido!