Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Monteiro fora da BRF; Macron anuncia corte de impostos; Putin e Kim...

Monteiro fora da BRF
A fabricante de alimentos BRF informou na noite desta quinta-feira que Ivan Monteiro apresentou sua renúncia ao cargo de vice-presidente financeiro e de relações com investidores, por indicação médica. O ex-presidente da Petrobras foi anunciado em fevereiro, reforçando uma onda de otimismo no mercado que havia começado com a chegada de Pedro Parente, que acumula os cargos de presidente executivo e presidente do conselho de administração da companhia. Segundo a BRF, o vice-presidente de operações, Lorival Luz, acumulará a função de Monteiro até 17 de junho, quando assume a presidência no lugar de Parente, num movimento já anunciado anteriormente.

Economia de 1,2 tri com Previdência
O Ministério da Economia divulgou nesta quinta-feira, 25, suas projeções para a reforma da Previdência, após gerar polêmica ao decretar sigilo sobre os dados que embasam o plano. O cálculo oficial é que se a reforma for aprovada como está, vai gerar uma economia nas contas públicas de 1,236 trilhão de reais em 10 anos. Esse número representa uma elevação de 15% sobre o patamar de 1,072 trilhão de reais divulgado quando o texto foi apresentado inicialmente em fevereiro. Para que os efeitos já sejam sentidos em 2020, segundo 0 secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho é necessário que o Congresso aprove a PEC neste semestre ou no começo do próximo.

Comissão especial ganha relator e presidente
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou na manhã desta quinta-feira, 25, que o deputado Marcelo Ramos (PR-AM) será o presidente da comissão especial que vai analisar a reforma da Previdência. O relator do texto que será votado pelo colegiado também foi escolhido: o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). Composto por 49 deputados titulares, o colegiado vai analisar o mérito do texto elaborado pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, e será instalado nesta quinta. Na última terça-feira, 23, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou a admissibilidade constitucional da proposta da reforma da Previdência. “Espero que o relator consiga construir um sistema que tenha subrelatores, porque a demanda para ajudar é muito grande. E uma votação dessas é uma construção coletiva”, declarou Maia.

_

“O Brasil não pode ser um país do mundo gay”
O presidente da República, Jair Bolsonaro, comentou nesta quinta-feira, 25, durante o café da manhã com jornalistas, a recusa do Museu Americano de História Natural de Nova York em sediar o evento organizado pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos que o homenageia. “Eu recebo (a homenagem) na praia, numa praça pública. Não é o museu que está me homenageando. O que houve foi pressão do governo local que é Democrata e eu sou aliado do (presidente dos EUA) Donald Trump”, disse Bolsonaro. Ele afirmou que, em novembro de 2009, começou a “tomar pancada do mundo todo” ao acusar o kit gay. “Eu comecei a assumir essa pauta conservadora. Essa imagem de homofóbico ficou lá fora”, disse, afirmando que isso não prejudica investimentos. “O Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay. Temos famílias”, disse.

“Garantias de segurança”
O presidente russo Vladimir Putin e o ditador norte-coreano Kim Jong-un realizaram, nesta quinta-feira 25, a primeira cúpula entre ambos, na cidade russa de Vladivostok. Putin disse que “não há alternativa” para uma resolução pacífica da questão nuclear na península coreana, e se disse disposto a cooperar mais para reduzir as tensões entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. O presidente afirmou ainda que a desnuclearização “é possível”, mas que Pyongyang exige garantias de segurança. “A Coreia do Norte precisa de garantias de segurança. Isso é tudo”, falou Putin, durante entrevista coletiva na cidade de Vladivostok. O líder russo também declarou que “com a participação ativa da comunidade internacional de todos os países interessados, alcançaremos com segurança os objetivos de garantir uma paz, estabilidade e prosperidade na península coreana”.

_

Macron anuncia corte de impostos
Com os protestos dos “coletes amarelos” ocorrendo há 23 sábados, o presidente francês Emmanuel Macron teve que anunciar medidas para conter as críticas. Nesta quinta-feira, em coletiva no palácio do Eliseu, o político anunciou um corte de impostos de cerca de 5 bilhões de euros sobre os salários. Para bancar essa diminuição na arrecadação do governo, Macron disse que haverá o fechamento de brechas fiscais que beneficiam algumas empresas, bem como um aperto nas contas públicas. O presidente ainda afirmou que os franceses terão de trabalhar mais anos para financiar o projeto nacional. “A França trabalha muito menos do que seus vizinhos. Precisamos ter um debate sério sobre isso”, disse Macron. A partir de junho, o governo irá apresentar para os ministérios do país seu novo plano para a Previdência pública, mas a idade para aposentadoria não deve ultrapassar os 62 anos, mas a reforma dará incentivos para os franceses trabalharem mais, visto que a expectativa de vida do país aumentou. No mais, Macron prometeu envolver mais os cidadãos no processo democrático por meio de referendos.