‘Minha Casa’ terá ajuste, mas manterá objetivos

O dirigente afirmou que, antes do lançamento da nova fase, serão feitos acertos de contas para "os pequenos atrasos que persistem"

São Paulo – A terceira fase do programa “Minha Casa, Minha Vida” (MCMV) deverá ter alguns ajustes de cronograma, conforme os recursos disponibilizados pelo governo, afirmou o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, ao ressaltar que a nova etapa não terá alterações em seus objetivos.

O dirigente afirmou que, antes do lançamento da nova fase, serão feitos acertos de contas para “os pequenos atrasos que persistem”.

No começo da semana, o governo propôs desembolsar R$ 600 milhões para a quitação de parte dos passivos atrasados às empresas participantes do programa nos primeiros dias de julho.

Além disso, houve um compromisso de remanejar prazos de pagamento na faixa 1 do MCMV e de readequar o cronograma de projetos cujas obras tenham menos de 70% de execução.

“Após esse momento será lançada a fase três onde teremos um novo cronograma com a disponibilização de recursos entendida de comum acordo com a equipe econômica”, disse o ministro, de acordo com nota de sua assessoria.

Kassab afirmou ainda que o investimento do governo federal nas duas primeiras fases do programa foi de R$ 244 bilhões para contratação de 3,750 milhões de unidades habitacionais e que o objetivo do programa é contratar 6,750 milhões de casas em nove anos (2009-2018), com a implantação da terceira etapa.

As falas do ministro foram feitas durante o 62º Fórum Nacional de Habitação de Interesse Social, realizado em Campinas (SP). No evento, Kassab destacou ainda que o programa Minha Casa, Minha Vida é fundamental para diminuir o déficit habitacional do País.