Mil funcionários da USP têm desconto por dias parados

Cada diretor optou por um tipo de desconto; outros diretores descartaram a possibilidade de corte, por concordarem com a greve ou para evitar desgaste

São Paulo – Mais de mil funcionários da Universidade de São Paulo (USP), em greve há mais de dois meses, tiveram o ponto cortado nos salários pelos dias parados, segundo dados preliminares da reitoria. A instituição tem hoje quase 17 mil servidores. Apesar de ameaças, os últimos reitores evitaram tomar essa medida.

Como não há registro de ponto docente, os professores não tiveram a mesma punição. A reitoria deixou a cargo dos diretores e dirigentes das unidades a decisão de descontar. A maioria dos funcionários punidos é dos órgãos da administração central.

Cada diretor optou por um tipo de desconto: de todo o mês parado ou de apenas alguns dias. Outros diretores descartaram a possibilidade de corte, por concordarem com a greve ou para evitar desgaste com os servidores. No último encontro entre o reitor e os diretores foi discutida a necessidade de um parâmetro comum para orientar os descontos.

Doações

O corte de ponto ajudou a acirrar os ânimos até mesmo entre os grevistas que não foram punidos. “Não defendemos descontos, mas faltou isonomia: cortar salário de funcionário e não de docente”, criticou o presidente da Associação de Docentes da USP (Adusp), Ciro Correia. “É um retrato da irresponsabilidade e da falta de princípio ético e legal”, disse.

A Adusp e o sindicato de funcionários têm pedido doações para ajudar os grevistas punidos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.