Mesmo com liminar, sindicatos mantêm paralisação em ônibus e Metrô de SP

De acordo com Wagner Fajardo, coordenador do Sindicato dos Metroviários de SP, a expectativa é que as linhas 1, 2 e 3 sejam totalmente interrompidas

São Paulo — Nesta semana, a São Paulo Transporte S.A (SPTrans), o Metrô e a CPTM conseguiram liminares favoráveis para impedir a paralisação dos meios de transporte na capital paulista nesta sexta-feira (14), quando está prevista uma greve geral contra a reforma da Previdência.

Apesar das decisões da Justiça, os funcionários de ônibus, de metrô e de trens confirmam que a paralisação está mantida. 

De acordo com Wagner Fajardo, coordenador do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, haverá uma assembleia nesta quinta-feira (13) para organizar a greve.

Ele afirma que a expectativa é que as linhas 1, 2 e 3 sejam totalmente interrompidas. Também diz que tentará convencer funcionários das linhas 4 e 5, operadas por consórcios privados, a parar.

“Não é uma greve só de transportes. Vai ser uma greve geral mesmo. Estamos com expectativa positiva de que o movimento será bastante forte e, com certeza, deverá influenciar a tramitação da reforma da Previdência”, afirma.

Liminares

A SPTrans conseguiu manutenção da circulação de ônibus na cidade, principalmente nos horários de pico, entre 5h e 9h e entre 17h e 20h. Em caso de descumprimento, a multa é de 100 mil reais por dia.

Já o Metrô conseguiu liminar para manter 100% do quadro de servidores nos horários de pico, e 80% no restante. A CPTM obteve liminar para manter 100% do quadro durante todo o horário de operação.

De acordo com Farjado, a liminar ainda vai ser julgada, com apresentação da defesa dos metroviários para que a multa não seja aplicada. “Entendemos que essas liminares são inconstitucionais porque ferem o direito de livre manifestação e de greve, que está garantida na Constituição”.

Bancos

O Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região definiu que vai suspender as atividades. Em nota, a presidente do sindicato, Ivone Silva, disse que não há como os trabalhadores contribuírem para a previdência da forma proposta pelo governo Bolsonaro.

“o número de desempregados chegou a 13,2 milhões. Temos ainda 5 milhões de desalentados e 28,4 milhões de subutilizado. E a informalidade avança no mercado pós-reforma trabalhista. Quem nesse país vai conseguir alcançar os 20 anos de contribuição para a aposentadoria? E os 40 anos de contribuição para se aposentar com o benefício integral? É impossível”, diz a nota.

Já no Rio de Janeiro, o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários e Financiários do Município do Rio de Janeiro também decidiu paralisar as atividades.

Escolas

O Sinpro (Sindicato dos Professores de São Paulo) anunciou que ao menos 32 escolas particulares de São Paulo vão aderir à greve geral.

Professores de escolas tradicionais da cidade, como Arquidiocesano, Santa Cruz, Notre Dame, Lycée Pasteur, Vera Cruz e Escola da Vida vão paralisar as atividades.

Até o momento, também decidiram parar os colégios Alecrim, Arco, Aretê, Arraial das Cores, Bakhita, Casa de Aprendizagens, Criarte, Equipe, Espaço Brincar, Fazendo Arte, Garcia Yago, Giordano Bruno, Gracinha, Hugo Sarmento, Invenções, Ítaca, Maria Boscovitch, Micael Waldorf, Ofélia Fonseca, Oswald de Andrade, Politeia, Pré-escola Quintal do João Menino, Santi, São Domingos, Viva e Waldorf São Francisco.

Dentre os pontos que discordam da proposta da reforma previdenciária enviada ao Congresso, está o fato de que os professores deixarão de ter reconhecida uma aposentadoria especial.

Os professores das redes municipal e estadual de São Paulo também estão mobilizados para paralisar as atividades das escolas públicas nesta sexta-feira.