Mercado Uruguaiana reabre após operação contra pirataria

De um total de 1.600 boxes existentes no camelódromo, a Polícia Civil suspeita que 380 trabalhem com produtos ilegais

O Mercado Popular da Uruguaiana, conhecido como camelódromo, reabre parcialmente na tarde de hoje (13), depois de operação realizada pela Polícia Civil contra a pirataria.

O mercado, no centro da cidade do Rio de Janeiro, só reabrirá  – em uma primeira etapa –  os boxes das quadras C e D.

Segundo a Secretaria Estadual de Ordem Pública, somente os comerciantes recadastrados na Prefeitura até o último domingo (12) poderão abrir seus boxes para o comércio.

De acordo com a secretaria, 1.036 boxes já foram identificados e estão aptos para as vendas. De um total de 1.600 boxes existentes no camelódromo, a Polícia Civil suspeita que 380 trabalhem com produtos ilegais.

De acordo com o secretário de Ordem Pública, Leandro Matieli, haverá um mapeamento completo da área para localizar cada box. “Alvará será concedido para cada vendedor que se recadastrar, fazendo com que seja possível tirá-los da informalidade, tornando-os microempreendedores”, disse Matieli.

A delegada Valéria Aragão alerta que o problema de pirataria naquela região não será resolvido de imediato. “Não temos essa pretensão [de acabar com a pirataria de imediato]. É algo que depende também da conscientização da população, o que, aliás, estamos fazendo. É apenas o início de um processo de moralização”. 

Segundo a delegada, quatro toneladas e meia de produtos foram apreendidos durante a operação, que durou quatro dias, na semana passada.

A operação da Polícia Civil, no entanto, gerou críticas de alguns comerciantes, como Leandro Pereira. “Apreenderam meus produtos mesmo não sendo ilegais.

Eu sou trabalhador, pai de família e agora estou tendo um grande prejuízo sem poder trabalhar mesmo tendo me recadastrado na prefeitura e sendo um comerciante legal”, disse.

A delegada disse reconhecer que os ânimos estão exaltados após as mudanças. A presidenta da Associação dos Comerciantes do Mercado Popular da Uruguaiana, Rosalice Rodrigues Oliveira, disse que foi grande o prejuízo dos comerciantes, mas disse apoiar a Polícia Civil na operação. “Esse processo de mapeamento e legalização é um sonho. Só valoriza quem trabalha aqui”, afirmou.

Hoje, os comerciantes da quadra A serão recadastrados. Amanhã, será a vez dos vendedores da quadra B. A delegada Valéria Aragão recomenda que todos realizem o processo, já que o não recadastramento denota, segundo ela, “uma atitude muito suspeita”.

Inaugurado em 1994, o Mercado Popular da Uruguaiana recebe mais de cinco mil pessoas por dia, com 1.600 boxes sorteados à época pela prefeitura.