Médicos avaliarão se Bolsonaro poderá fazer campanha nas ruas no 2º turno

Filho do candidato disse que não haverá conversas nem alianças formais com outros partidos, apenas convergência de valores contra a candidatura petista

Eleito senador pelo Rio de Janeiro, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) disse nesta segunda-feira, 8, que seu pai, o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), passará por uma avaliação médica nos próximos dias que definirá a sua atuação no segundo turno da campanha.

Vítima de uma facada no dia 6 de setembro, enquanto fazia campanha em Juiz de Fora, Minas Gerais, Bolsonaro segue recebendo cuidados médicos e deve permanecer em casa até ser liberado.

Flávio disse que uma nova perícia deve ser feita nos próximos dias. “O próximo fator importante é essa perícia dos médicos, que vão dizer até onde ele pode ir e até onde não pode ir. Mas ele quer sair”, afirmou. Ele acrescentou que a participação do candidato em debates também depende dessa avaliação.

Flávio Bolsonaro concedeu entrevista à imprensa do lado de fora do condomínio em que seu pai mora, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. O deputado afirmou que a estratégia de campanha para o segundo turno será fortalecer lideranças estaduais e apostar nas redes sociais.

Sobre o Nordeste, única região do país em que Jair Bolsonaro perdeu a eleição no primeiro turno, Flávio Bolsonaro disse acreditar que o tempo de televisão, dividido ao meio no segundo turno, permitirá atingir mais eleitores. “A gente vai poder comunicar melhor para aqueles setores que não foram impactados pelas redes sociais.”

Bolsonaro atacou o PT, classificando o partido de “império do mal” e “trevas”, e disse que a vitória do PSL foi avassaladora, com a eleição de mais de 50 deputados federais e quatro senadores.

Ele afirmou que, no segundo turno, não haverá conversas nem alianças formais com outros partidos, apenas convergência de valores contra a candidatura de Fernando Haddad (PT) à presidência.

Flávio disse que a bancada eleita para o próximo Congresso Nacional garante base a Bolsonaro e dificultaria a governabilidade para Haddad, caso ele vença o segundo turno das eleições.

Ele afirmou também que o PSL tem direito de questionar os resultados da eleição. Para o deputado, haveria muito mais tranquilidade entre os eleitores se o Tribunal Superior Eleitoral tivesse aprovado o voto impresso, para contagem manual. “Problemas não foram pontuais e podem ter sido decisivos”, acrescentou Flávio Bolsonaro.